A estrutura óssea das mulheres pode mudar para sempre depois de serem mães

0
8034

(CC0/PD) Free-Photos / pixabay

Embora possam parecer os pilares sobre os quais crescem e assentam os corpos, os ossos dos primatas são surpreendentemente dinâmicos, crescendo gradualmente ao longo da vida.

Os sacrifícios que são exigidos a uma mãe primata para suportar e dar vida aos seus filhos podem ter consequências e níveis mais profundos do que se acreditava. Com o objetivo de saber mais sobre o tema, um novo estudo com macacos descobriu que a gravidez pode, por exemplo, deixar uma marca permanente na estrutura óssea.

Depois o promanação de um recém-nascido, os macacos fêmeas evidenciaram concentrações significativamente mais baixas de cálcio, fósforo e magnésio nos seus ossos em confrontação com os que não experimentaram levante estado. Embora levante estudo específico não tenha olhado para os seres humanos, os resultados ajudam a informar porquê os principais eventos da vida podem deixar uma marca no esqueleto dos primatas em universal.

Embora possam parecer os pilares sobre os quais crescem e assentam os corpos, os ossos dos primatas são surpreendentemente dinâmicos. Os ossos crescem gradualmente ao longo da vida, as flutuações anuais de propagação são frequentemente impactadas por factores relacionados com o estilo de vida.

A maioria de nós sabe que a densidade óssea pode perder-se com a idade, principalmente depois a menopausa, mas ao longo da vida, doença, dieta, clima e gravidez podem deixar um registo permanente nos tecidos calcificados que pode ser “lido” na vida depois a morte.

Durante a gravidez humana, as evidências sugerem que o corpo da mãe pode realmente retirar cálcio dos seus ossos onde quantidades insuficientes do nutriente são ingeridas, diminuindo a tamanho, maquilhagem, e densidade do seu esqueleto durante qualquer tempo.

Ao amamentar, os ossos de uma mãe são de facto “reabsorvidos” na sua fluente sanguínea para fazer leite suficiente rico em cálcio. Os minerais perdidos são facilmente restaurados quando cessa a lactação, mas mesmo assim, pode ter uma forma de os cientistas notarem o lapso momentâneo.

Em áreas forenses e arqueológicas, identificar se alguém esteve prenha recorrendo somente os ossos é um método discutível. Os sinais na pélvis do parto têm sido chamados de não fiáveis, e hoje em dia, os métodos e interpretações para levante trabalho variam muito.

“A nossa investigação mostra que mesmo antes da cessação da fertilidade o esqueleto responde dinamicamente às mudanças no estado reprodutivo”, explicou a antropóloga Paola Cerrito da Universidade de Novidade Iorque, citada pelo Science Alert. “Aliás, estas descobertas reafirmam o impacto significativo que o parto tem sobre um organização feminino — muito simplesmente, as provas de reprodução estão ‘escritas nos ossos’ para toda a vida”.

O estudo baseia-se somente em sete rhesus macaques naturalmente mortos, quatro dos quais eram fêmeas, mas mesmo entre levante grupo restringido, os ossos do fémur (coxa) apresentaram alterações relativas que só poderiam ser explicadas pela gravidez e lactação.

Em confrontação com machos e fêmeas que não tinham nascido jovens, os dois macacos que se reproduziram durante a sua vida mostraram uma constituição óssea relativamente dissemelhante, incluindo um menor texto de cálcio, fósforo e magnésio.

As alterações observadas na densidade de cálcio e fosfato estavam ligadas ao parto, enquanto a subtracção do texto de magnésio coincidiu com o amamentação materno. Os autores suspeitam que os seus resultados são um sinal de reabsorção óssea durante a reprodução, mas são necessários mais estudos para se ter a certeza.

É necessária mais investigação, de preferência utilizando representantes de populações de primatas selvagens, para ver se o mesmo se pode expor de outros animais. É ainda verosímil, dizem os autores, “que o sinal dos eventos reprodutivos e do desmame que detectámos possa ser mal visto, em populações selvagens, por respostas fisiológicas a dietas e ambientes em mudança”.

  ZAP //

Deixe um comentário