A história de um inseto cabe na sua saqueta de chá — e os cientistas estão prontos a descobri-la

0
378

Rawpixel

É um objeto recorrente quer em envolvente doméstico quer em cafés, mas que posteriormente a sua utilização única vão diretamente para o lixo. Mas a verdade é que se as folhas presentes no interno dos saco de chá pudessem narrar as suas histórias, pintariam um quadro de milénio interações fugazes. Recuando ao pretérito, as abelhas aterravam nelas enquanto polinizavam as flores; as lagartas mastigavam-nas e construíam casulos perto delas; ao passo que as aranhas amarravam-lhes teias de aranha.

Mas muitas das relações entre vegetais e animais ficam sem registo, já que increver cada bicho que se alimenta ou poliniza uma determinada vegetal pode levar muito tempo e esforço. “Há interações muito, muito específicas, e interações muito crípticas das quais sabemos muito pouco, porque basicamente ninguém se esforçou por estudar isto antes”, diz Henrik Krehenwinkel, um geneticista ecológico da Universidade de Trier.

Krehenwinkel, precisamente, liderou uma equipa de cientistas que descobriu uma novidade forma de desvendar algumas destas interações entre vegetais e animais. A sua equipa procedeu à compra de chás e ervas numa mercearia e testou as folhas secas em procura de vestígios mínimos de ADN, um método chamado estudo de ADN ambiental ou eDNA.

No seu recente estudo, publicado na Biology Letters, a equipa encontrou vestígios de mais de 1200 espécies diferentes de artrópodes a partir da sua estudo de somente quatro vegetais: camomila, menta, chá e salsa. Levante método pode ser aplicado a qualquer vegetal seca, tornando-a uma utensílio potencialmente inestimável para a monitorização de espécies de insetos ameaçadas e o rastreio da propagação de pragas de culturas.

Os investigadores escolheram chás e ervas para o seu estudo de eDNA porque os produtos comerciais feitos a partir delas incluíam folhas que tinham sido trituradas e secas. “Numa padrão uma vez que o moca, que é muito processado, provavelmente resta muito pouco ADN“, diz Krehenwinkel, “por isso tentámos coisas que eram o mais proveniente verosímil”.

Os cientistas vasculharam as prateleiras das mercearias locais em procura de ervas aromáticas e chás provenientes de quatro continentes. Compraram várias versões do mesmo resultado, mas de marcas diferentes para se certificarem de que cada chá tinha uma gama de origens representada, o que maximizaria o número de artrópodes que poderiam encontrar. “Basicamente só fui a algumas mercearias diferentes e comprei um monte de diferentes tipos de chá que tinham”, diz Krehenwinkel. “Devem ter pensado que sou um viciado em chá”.

A equipa teve de desenvolver métodos para extrair e amplificar o ADN do artrópode de entre todo o material vegetal. A grande maioria do ADN nas folhas de chá é da própria vegetal do chá. “Provavelmente 99,999, ou alguma coisa do género, percentagem do ADN que extraímos é ADN de vegetais, e somente uma pequena fração, que resta, é o ADN de insetos”, explica Krehenwinkel, “o que, simples, é bom para os bebedores de chá porque querem tomar o chá e não os insetos”.

O observador acrescenta que mesmo uma pequena presença de ADN de artrópodes é um bom sinal de que o chá não está repleto com pesticidas.

Os investigadores descobriram uma vez que isolar o ADN dos artrópodes encontrando uma sequência chave que difere entre artrópodes e vegetais. A equipa descobriu, em média, mais de duzentos tipos diferentes de artrópodes de cada padrão de chá. Nem todos estes animais puderam ser combinados com espécies conhecidas, salientando a urgência de mais investigação sobre os grupos mais obscuros e sub-estudados.

Mas aqueles que foram identificados corresponderam geralmente às distribuições conhecidas tanto de vegetais uma vez que de artrópodes. Por exemplo, o chá de menta continha ADN de insetos encontrados na região noroeste do Pacífico dos Estados Unidos, enquanto que o chá virente continha ADN de insetos nativos da Ásia Oriental.

A estudo do ADN do artrópode a partir de folhas de chá ou outro material vegetal sedento poderia ajudar os cientistas a rastrear a propagação de insetos que são considerados pragas. Os insetos são frequentemente transportados inadvertidamente ao volta do mundo, apanhando boleia em navios de trouxa, vegetais em vasos ou lenha.

Embora a maioria não sobreviva à viagem, algumas espécies deslocam-se com sucesso e continuam a provocar estragos em florestas ou culturas. Ser capaz de detetar espécies nocivas logo posteriormente a sua aparição numa novidade superfície poderia ajudar a dar início ao processo de gestão antes de as populações de pragas dispararem.

Outras vegetais secas poderiam também ser analisadas utilizando os mesmos métodos de eDNA deste estudo. Krehenwinkel está principalmente interessado na extração de artrópodes eDNA de vegetais secas que foram recolhidas há décadas e cuidadosamente armazenadas em coleções de museus. Estes resultados de eDNA podem logo ser comparados com os de vegetais modernas dos mesmos locais para ver quais as espécies de artrópodes que chegaram e partiram.

Uma vez que Krehenwinkel prevê, estas comparações de amostras de vegetais novas e antigas proporcionarão uma forma de “viajar no tempo e compreender uma vez que as comunidades mudaram”.

Esta lente histórica pode ser útil para os esforços de conservação de insetos, principalmente à luz dos declínios de insetos recentemente documentados. Embora os cientistas saibam que muitos insetos estão em transe devido a ameaças uma vez que as alterações climáticas e a degradação do habitat, têm dificuldade em quantificar a extensão destas perdas.

Enquanto a estudo molecular real requer equipamento dispendioso de subida tecnologia, a recolha e secagem de vegetais é fácil de fazer em mansão. “Basta dar um pequeno kit para recolher vegetais a uma petiz e depois elas podem recolher flores, e basicamente, podemos processar essas flores e reconstruir essas interações”, diz Krehenwinkel. Espera ainda que “com estes projetos científicos comunitários, seremos capazes de obter informação em larga graduação sobre as interações entre vegetais e insetos”.

  ZAP //

Deixe um comentário