A pandemia mudou as nossas personalidades? Sim — e para pior

0
5081

Teddy / rawpixel

Para muitos de nós, alguns traços de personalidade permanecem os mesmos ao longo das nossas vidas, enquanto outros mudam gradualmente.

No entanto, evidências mostram que eventos impactantes nas nossas vidas pessoais que causam stress ou traumas severos podem estar associados a mudanças mais rápidas nas nossas personalidades.

Um novo estudo, publicado no PLOS ONE, sugere que a pandemia de covid-19 realmente desencadeou mudanças muito maiores na personalidade do que esperávamos ver naturalmente durante esse período.

Em pessoal, os investigadores descobriram que as pessoas eram menos extrovertidas, menos abertas, menos agradáveis ​​e menos conscientes em 2021 e 2022 em verificação com o pré-pandemia.

Oriente estudo incluiu mais de 7000 participantes dos EUA, com idades entre 18 e 109 anos, que foram avaliados antes da pandemia (a partir de 2014), no início da pandemia em 2020 e depois na pandemia em 2021 ou 2022.

Em cada momento, os participantes completaram o “Big Five Inventory”. Esta instrumento de avaliação mede a personalidade numa graduação em cinco dimensões: extroversão vs introversão, amabilidade vs antagonismo, consciência vs falta de direção, neuroticismo vs firmeza emocional e fenda vs fechamento a novas  experiências.

Não houve muitas mudanças entre os traços de personalidade pré-pandemia e 2020. No entanto, os investigadores encontraram declínios significativos na extroversão, fenda, amabilidade e consciência em 2021/2022. Essas mudanças foram semelhantes a uma dezena de variação normal, sugerindo que o traumatismo da pandemia acelerou o processo oriundo de mudanças na personalidade.

Curiosamente, as personalidades dos adultos mais jovens mudaram mais no estudo — mostraram declínios acentuados na amabilidade e consciência e um aumento significativo no neuroticismo em 2021/2022. Isto pode dever-se em secção à sofreguidão social que emerge com a reabertura da sociedade.

Personalidade e bem-estar

Muitos de nós ficamos mais preocupados com a saúde durante a pandemia. Muitos de nós procuramos quaisquer interações sociais que pudéssemos encontrar virtualmente e tentamos redirecionar a nossa atenção para o desenvolvimento psicológico, emocional e intelectual – por exemplo. adotando novos passatempos.

No entanto, a saúde mental e o bem-estar diminuíram significativamente. Isso faz sentido, dadas as mudanças drásticas pelas quais passamos.

Notavelmente, a personalidade afeta significativamente o nosso bem-estar. Por exemplo, as pessoas que relatam altos níveis de consciência, amabilidade ou extroversão são mais propensas a ter o nível mais cimo de bem-estar.

Portanto, as mudanças de personalidade detetadas neste estudo podem explicar de alguma forma a subtracção do bem-estar que vimos durante a pandemia.

Se olharmos mais de perto, a pandemia parece ter afetado negativamente as seguintes áreas:

  • a nossa capacidade de expressar empatia e clemência para com os outros (amabilidade);
  • a nossa capacidade de fenda a novos conceitos e disposição para novas situações (fenda);
  • a nossa tendência a procurar e usufruir da companhia de outras pessoas (extroversão);
  • o nosso libido de lutar pelos nossos objetivos, fazer muito as tarefas ou levar a sério as responsabilidades para com os outros (consciência).

Todos estes traços influenciam a nossa interação com o envolvente ao nosso volta e, porquê tal, podem ter desempenhado um papel no declínio do nosso bem-estar. Por exemplo, trabalhar em lar pode ter nos deixado desmotivados e porquê se a nossa curso não estivesse a ir a lugar nenhum (menor consciência). Isso, por sua vez, pode ter afetado o nosso bem-estar, fazendo com que nos sintamos mais irritados, deprimidos ou ansiosos.

E agora?

Com o tempo, as nossas personalidades geralmente mudam de uma maneira que nos ajuda a apropriar ao envelhecimento e a mourejar de maneira mais eficiente com os eventos da vida. Por outras palavras, aprendemos com as nossas experiências de vida e, posteriormente, isso afeta nossa personalidade. À medida que envelhecemos, geralmente vemos aumentos na autoconfiança, autocontrolo e firmeza emocional.

No entanto, os participantes deste estudo registaram mudanças na direção oposta à trajetória usual de mudança de personalidade. Isso é compreensível, oferecido que enfrentamos um longo período de dificuldades, incluindo restrições às nossas liberdades, perda de rendimentos e doenças. Todas essas experiências evidentemente mudaram-nos.

Oriente estudo dá-nos algumas noções muito úteis sobre os impactos da pandemia na nossa mente. Esses impactos podem posteriormente influenciar muitos aspetos de nossas vidas.

Deixe um comentário