Arménia tinha há 40 anos dores lancinantes quando fazia tricô. Mistério resolvido –

0
372

Pexes

A paciente em questão teve dores nos dedos durante 40 anos, e era um mistério para os médicos. A justificação desta dor revelou ser um vasqueiro tumor nas unhas dos pés, e foi provável ser repará-la através de uma rápida operação de 30 minutos.

Uma equipa de cientistas franceses e arménios descobriu a justificação das dores de que uma paciente padeceu durante 40 anos.

De consonância com a Scitechdaily, a paciente em justificação tinha um tumor benigno vasqueiro a crescer sob a unhas. A dor era também provocada pelo tempo insensível.

O tumor foi entretanto removido com sucesso.

O caso foi apresentado na Euroanaesthesia, a reunião anual da Sociedade Europeia de Anestesiologia e Cuidados Intensivos (ESAIC) em Milão, Itália.

A equipa de investigadores descreveu o caso de uma mulher de 58 anos de idade que sentiu dores graves e inexplicáveis nos dedos durante mais de 40 anos enquanto tricotava.

A paciente, uma pessoa destra, visitou a Clínica Wigmore em Yerevan, na Arménia, em Outubro de 2021, porque tinha terríveis dores poenetrantes e abrasadoras no seu dedo indicador recta, que se manifestavam em privado quando fazia tricô.

Tinha também dores nos dedos durante o tempo mais insensível, juntamente com pontadas e agulhas no antebraço e ombro direitos.

A senhora, que nunca tinha tido anteriormente qualquer lesão no dedo, tinha levante padrão de sintomas há mais de 40 anos.

A doença de Reynaud e um neuroma estavam entre as suspeitas dos vários médicos que tinha visitado, e tinha recebido tratamentos sem sucesso.

A paciente, originário da Arménia, foi recentemente submetida a uma abrangente bateria de testes transportado por uma equipa franco-arménia de médicos, na Clínica Wigmore, e organizada pelo Hospices Civils de Lyon, o segundo maior hospital universitário em França.

A equipa multidisciplinar incluía um profissional em dor, cirurgião de mãos, fisioterapeuta, profissional em doenças de infeções ósseas e articulares, microbiologista, neurologista, e radiologista.

Um fiscalização físico revelou que exercitar pressão sobre a unha, mimar a sua extremidade, utilizar gelo na mão e segura-la para inferior produzia o mesmo padrão de dor — uma vez que se tivesse a tricotar.

Levantar e segurar o braço aliviava a dor quase instantaneamente. Os testes mostraram que paciente tinha níveis normais de sensibilidade à dor.

Uma pequena troço da unha no dedo indicador recta era ligeiramente bulbosa, mais escura do que a unha circundante, e ligeiramente arroxeada.

Esta deformidade, em combinação com uma ligeira descamação da superfície do osso sob a unha (revelada por raio-X) e uma pequena volume densa sem vasos sanguíneos no interno, juntamente com um defeito ósseo imediato (ambos revelados por ultra-sons), sugeriam que a paciente tinha um tumor glómico.

Os tumores glómicos são neoplasias normalmente benignas, de tecido tenro. Mais comuns em mulheres de meia-idade do que em outros grupos, representam muro de 2% de todos os tumores de tecido tenro.

A maioria (75%) é encontrada por baixo de uma unha da mão ou do pé. No entanto, podem desenvolver-se em qualquer segmento do corpo, e já foram encontrados no pénis e no interno do estômago. Normalmente benignos, podem, em casos raros, tornar-se malignos e alastrar-se a múltiplos locais em todo o corpo.

O fiscalização do tumor sob a unha da mulher, em seguida remoção numa operação de 30 minutos no final de Outubro de 2021, confirmou que se trata de um tumor glómico benigno, de 5mm de tamanho.

Os tumores glômicos são incomuns e, embora os cirurgiões de mãos e plásticos estejam familiarizados com eles, podem apresentar um puzzle para outros especialistas”, diz o profissional em dor e anestesista Mikhail Dziadzko, do Hospital da Cruz Vermelha, em Lyon, que fez segmento da equipa multidisciplinar franco-arménia.

“Esta paciente tinha um tumor de 5mm que vinha a crescer lentamente há mais de 40 anos. A sua qualidade de vida foi afetada não só por sensações dolorosas durante determinados gestos e tempo insensível, mas também pela metódico antecipação da dor e da frustração pela incapacidade de resolver o problema ao longo das décadas”.

Não houve complicações da cirurgia e a recuperação da paciente decorreu sem problemas. Quando foi vista numa consulta de seguimento três meses em seguida a operação, disse que já não tinha qualquer dor no dedo. Foi capaz de voltar ao seu hobby — tricotar — e quase olvidar estes 40 anos de sofrimento“.

“A origem da dor de um paciente nem sempre é clara”, explica. Dziadzko. “Todavia, numa situação confusa, uma abordagem multidisciplinar envolvendo diferentes especialistas, tais uma vez que anestesiantes, radiologistas e cirurgiões, ajudará quase sempre a encontrar uma solução”.

  ZAP// //

Deixe um comentário