Astrónomos identificam 65 elementos, incluindo ouro, numa estrela vizinha

0
1395

Estrela HD 222925

Uma equipa de cientistas identificou 65 elementos na estrela HD 222925, sendo que 42 deles são elementos pesados que estão listados na parte inferior da tabela periódica.

Astrónomos da Universidade do Michigan, nos Estados Unidos, conseguiram identificar a maior variedade de elementos numa estrela além do Sistema Solar.

Segundo o Europa Press, a equipa identificou 65 elementos na estrela HD 222925, sendo que 42 deles são elementos pesados ​​listados na parte inferior da tabela periódica.

“Tanto quanto sei, é um recorde para qualquer objeto além do nosso Sistema Solar. O que torna esta estrela tão única é que ela tem uma proporção relativa muito alta dos elementos listados nos dois terços inferiores da tabela periódica. Até detetamos ouro”, destacou o investigador Ian Roederer.

“Esses elementos foram feitos pelo rápido processo de captura de neutrões. É realmente isso que estamos a tentar estudar: a física para compreender como, onde e quando estes elementos foram feitos”, completou.

O processo, também conhecido por “processo r”, começa com a presença de elementos mais leves, como o ferro. Depois, muito rapidamente, são adicionados neutrões aos núcleos dos elementos mais leves, um fenómeno que cria elementos mais pesados, como selénio, prata, telúrio, platina, ouro e tório – raramente detetados em estrelas.

“São precisos muitos neutrões livres e um conjunto de condições de energia muito alta para libertar e adicionar neutrões aos núcleos dos átomos”, referiu Roederer, acrescentando que não existem muitos ambientes propícios a tal fenómeno – só dois: fusão de estrelas de neutrões ou após a morte explosiva de estrelas massivas.

Ora, os elementos que Roederer e a sua equipa identificaram na HD 222925 foram produzidos em supernovas massivas ou numa fusão de estrelas de neutrões muito cedo no Universo. O material foi ejetado e “atirado” de volta ao Espaço, onde mais tarde se transformou na estrela que Roederer está a analisar atualmente.

No futuro, a HD 222925 pode ser usada como uma variável para descobrir o que teria produzido um desses eventos. Os astrónomos salvaguardam que qualquer modelo desenvolvido no futuro que demonstre como o “processo r” ou a natureza produz elementos nos dois terços inferiores da tabela periódica deve ter a mesma assinatura da HD 222925.

O artigo científico, aceite para publicação no Astrophysical Journal Supplement Series, está disponível no portal arXiv.

  ZAP //

Deixe um comentário