Até há pouco tempo, jogar em vivenda era uma vantagem quase certa. Mas a tendência está a mudar

0
2248

Emilio Garcia / Unsplash

Cientistas destacam o efeito psicológico que os jogos em vivenda podem ter quer para jogadores quer para árbitros.

Antigamente era correto proferir, pelo menos do ponto de vista estatístico, que as equipas de desporto que jogavam em vivenda tinham vantagem sobre os seus adversários. Durante décadas, esta tendência manteve-se, ao ponto de os cientistas se dedicarem a estudar os vários fatores que poderiam ter influência nessa vantagem — a qual é visível nos desportos individuais e coletivos, mas também ao nível universitário ou profissional.

No entanto, um pouco parece estar a mudar, já que a vantagem de jogar em vivenda parece estar a vanescer, sobretudo nos desportos profissionais. Para perceber esta evolução, o site Discover enumerou uma lista com um conjunto de fatores que devem ser analisados, a qual partiu de conclusões estabelecidas por cientistas de todas as disciplinas, desde estatísticos a psicólogos sociais e desportivos.

As causas fundamentais, determinadas pelos investigadores, podem envolver fatores relacionados com as viagens que os atletas têm que efetuar, algumas das quais prejudiciais ao seu desempenho. No entanto, o base das claques da equipa da vivenda — esmagadoramente vista uma vez que uma força psicológica — é visto uma vez que a maior vantagem no campo da vivenda e está diretamente ligada ao declínio nos dias de hoje.

Contrariamente e embora tenha sido muito discutido pelas equipas uma vez que um fator suplementar, os investigadores prontamente descartaram a intimidade com o campo ou o galanteio — denominado de “fator de aprendizagem” — uma vez que uma questão que poderia modificar o resultado de um jogo. Ainda assim, há excepções. Entretanto, os “factores de viagem”, tais uma vez que os efeitos físicos do voo e as mudanças de fuso horário, foram considerados uma vez que contribuindo para a vantagem de jogar “em vivenda”.

Mas os cientistas acabaram por desvendar que o “fator claque” — ou seja, o base da povo em vivenda — é a principal razão para a vitória em vivenda. Talvez surpreendentemente, não está em pretexto a força do público ou o volume dos seus aplausos.

Os estudos sugerem que o exaltação dos adeptos é uma motivação positiva para os jogadores da equipa da vivenda, mas tal envolvente também traz consigo uma força negativa conhecida uma vez que o fator “dispêndio do fracasso“: o pânico da equipa da vivenda de perder em vivenda (e o ridículo que se pode seguir) pode motivar os jogadores a concentrarem-se em evitar o fracasso em vez de “lutar pela vitória”.

Aliás, há pesquisas que mostram que os jogadores tendem a ter um desempenho mais fraco quando os seus adeptos esperam o sucesso. O elemento chave cá — e o que deu origem ao declínio mais recente da vantagem do campo em vivenda — é a influência que os adeptos da vivenda parecem ter sobre os árbitros. De facto, as análises estatísticas mostram que os árbitros ou juízes tendem a sentenciar a favor da equipa da vivenda e contra os visitantes em níveis muito mais elevados.

Na mesma risco, os árbitros podem ser o maior elemento que contribui para a vantagem da equipa da vivenda na sua origem. Os psicólogos que estudaram a estudo dizem mesmo que a influência que as claques têm sobre os árbitros é subconsciente, não premeditado. Ou seja, não se trata de uma conspiração, mas simplesmente uma consequência de ser humano.Os investigadores também concluíram que muitas destas decisões tendem a ocorrer nos momentos mais decisivos dos jogos.

  ZAP //

Deixe um comentário