Biden anuncia sanções conjuntas com “metade da

0
5096

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, será um “pária” na redondel internacional e sofrerá com sanções conjuntas de “metade da economia global”, afirmou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nesta quinta-feira (24). A Moradia Branca afirma que essas medidas terão um impacto de “longo prazo” na economia russa.

“Por nossas ações e de nossos aliados e parceiros, estimamos que vamos trinchar mais que metade das importações de subida tecnologia da Rússia. Vamos desferir um golpe em sua capacidade de continuar a modernizar seus militares”, disse Biden.

O presidente dos EUA destacou que Washington não está tomando essa medida sozinho, mas dentro de uma pronunciação com os países-membros da União Europeia, Reino Uno, Novidade Zelândia e Japão. Putin, afirma Biden, quer “reestabelecer a antiga União Soviética” e tem ambições para além da Ucrânia.

:: Veja porquê líderes latino-americanos reagiram ao conflito Rússia-Ucrânia ::

Além das sanções já anunciadas no início dessa semana, posteriormente Putin reconhecer rebeldes separatistas no leste da Ucrânia, contra os bancos russos VEB e o banco militar russo, Biden anunciou sanções contra quatros novos bancos e o confisco dos ativos dessas empresas nos EUA.

O objetivo, diz Biden, é “limitar o aproximação da Rússia às finanças e tecnologia”, e essa postura prejudicará a indústria bélica russa e também seu programa espacial.

O presidente dos EUA, porém, descartou trinchar a Rússia do sistema Swift, um sistema global de pagamentos, e disse encarregar que as atuais sanções “talvez” tenham um impacto maior do que essa medida.

Reino Uno e Ucrânia

O primeiro-ministro do Reino Uno, Boris Johson, também falou sobre sanções contra Moscou nesta quinta-feira (24). O premiê prometeu um “pacote maciço de sanções econômicas projetadas a tempo de travar a economia russa”.

Ainda nesta quinta-feira, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou estar criando uma “coalizão anti-Putin” e disse ter conversado sobre o ponto com a presidente da Percentagem Europeia, Ursula von der Leyen, o presidente da França, Emmanuel Macron, o chanceler da Áustria, Karl Nehammer, e o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan.

“[Conversei] sobre sanções concretas e assistência concreta para nossos militares. Estamos esperando por uma ação decisiva”. 

Edição: Arturo Hartmann

Manadeira: Brasil de Vestuário

Deixe um comentário