Big Bang pode estar inverídico. Há uma novidade teoria para explicar o Universo

0
7548

Gerd Altmann / pixabay

Dois prestigiados físicos propuseram uma novidade teoria para a formação do Universo, que deita completamente por terreno a teoria do Big Bang.

De onde vem o Universo? Esta é uma pergunta que vários pensadores e cientistas tentaram responder desde sempre. A teoria mais consensual entre a comunidade científica é a do Big Bang.

Basicamente, a teoria do Big Bang afirma que todo o Universo começou a partir de uma singularidade, que vem a expandir-se há pelo menos há 13,8 milénio milhões de anos. A teoria foi proposta pela primeira vez em 1920. Mais tarde, a teoria foi desenvolvida pelo físico russo George Gamov.

Uma das suas principais sugestões foi que a formação dos núcleos atómicos nos primórdios do Universo deveria deixar uma vez que rasto uma radiação detetável, na filete das microondas.

Embora esta seja a teoria mais consensual, não quer manifestar que os cientistas olhem para ela uma vez que uma verdade incontornável e irrefutável. Uma vez que tal, os prestigiados Sunny Vagnozzi e Avi Loeb propuseram uma novidade teoria para a formação do Universo, que deita por terreno a teoria do Big Bang.

Num estudo publicado na revista científica The Astrophysical Journal Letters, Vagnozzi e Loeb expõem sérios problemas na teoria do Big Bang, propondo eles próprios uma teoria que descreve tudo o que a primeira não consegue.

O estudo propõe “Big Bounce”, que sugere que o Universo observável é o resultado do termo de uma temporada cosmológica e o início de outra. Ou seja, ao contrário da teoria atual que diz que antes do Big Bang não havia zero, é provável que houvesse alguma coisa, explica o El Secreto.

Vagnozzi argumenta que o atual protótipo de desenvolvimento do Universo dá origem a um número praticamente intérmino de universos protótipo e não pode ser provado falso. Mas o facto de não ser provado falso não seria uma coisa boa?

Pode não parecer fazer sentido, mas a refutabilidade sempre foi a grande fraqueza do Big Bang. Não há forma de rejeitar a teoria, que é um importante pilar do método científico.

O princípio da refutabilidade, do austríaco Karl Popper, sugere que para uma asserção ser refutável ou falseável, é necessário que haja pelo menos uma experiência ou reparo factíveis que, fornecendo determinado resultado, implique a falsidade da asserção. Por exemplo, a asserção “todos os corvos são pretos” poderia ser falseada pela reparo de um corvo vermelho.

O paradigma inflacionário do Big Bang não é falsificável porque é impossível observar qualquer potencial evidência para confirmá-lo ou refutá-lo devido à natureza da luz.

É cá que entra a teoria de Vagnozzi e Loeb, que, por sua vez, é refutável. O estudo propõe uma experiência para detetar o fundo de grávitons primordiais — uma partícula teória proposta nos modelos de seriedade quântica — que demonstra que o Big Bounce pode ser a explicação para a origem do nosso Universo e daquilo que havia antes dele.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário