Buracos negros supermassivos podem ter “assassinado” galáxias no início do Universo

0
901

NASA Goddard

O aumento da atividade de buracos negros localizados nestes sistemas estelares causa um suposto “assassinato” das galáxias.

Um estudo recente identificou sinais ativos de buracos negros supermassivos em galáxias “moribundas”, isto é, que pararam de crescer e formar estrelas no início do Universo.

Segundo o Science Alert, os cientistas observaram uma série de galáxias distantes e perceberam que o aumento da atividade de buracos negros supermassivos localizados nesses sistemas estelares tem vários efeitos de “longo alcance na evolução da galáxia hospedeira”.

Um deles é o possível “assassinato” desses espaços.

Quando um buraco negro supermassivos está ativo, devora grandes quantidades de matéria do espaço à sua volta. Este processo é confuso e violento, produzindo o que é conhecido como feedback“.

Os astrónomos sabem que nada pode surgir para além do horizonte de um buraco negro, mas o espaço à sua volta é uma matéria diferente. O material gira em torno do buraco negro e a gravidade e a fricção geram uma radiação intensa que se estende por todo o Universo.

Outra forma de “retroalimentação” assume a forma de jatos. Pensa-se que o material fora do horizonte do evento é acelerado ao longo do campo magnético exterior do buraco negro, para ser lançado dos pólos como jatos de plasma poderosos e focalizados que viajam a uma percentagem significativa da velocidade da luz.

Por fim, os buracos negros ativos produzem ventos intensos que sopram em direção às suas galáxias.

Todas estas três formas de feedbacka radiação, os jatos e os ventos – aquecem e afastam o gás molecular frio necessário para a formação de estrelas.

A estas distâncias, as galáxias são muito mais difíceis de observar. Para o fazer, a equipa teve de “empilhar” as galáxias de modo a enfatizar o rádio e a luz de raios-X, os sinais indicadores de um buraco negro supermassivo ativo.

De acordo com o portal, a estratégia funcionou: a equipa encontrou um “excesso” de raio-X e sinais de rádio demasiado fortes para ser explicados apenas pelas estrelas nas galáxias com pouca ou nenhuma formação estelar.

A melhor explicação para este sinal é um ativo buraco negro supermassivo.

O artigo científico foi publicado, recentemente, no The Astrophysical Journal.

  ZAP //

Deixe um comentário