“Carnaval só tem quando tem carnaval de rua”, diz

0
4906

Em 2022, mais uma vez, não temos carnaval na Bahia por conta das medidas sanitárias necessárias para moderar o progressão da pandemia de covid-19. Ainda que seja uma medida justa, existe um impacto da pouquidade da sarau tanto no paisagem econômico quanto cultural para todo o estado, e principalmente para a cidade de Salvador.

O professor Paulo Miguez, pesquisador do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e do Meio de Estudos Multidisciplinares em Cultura da Universidade Federalista da Bahia (UFBA), defende que, mesmo que aconteçam festas particulares durante estes dias, estas não podem ser consideradas carnaval, mas sim festas com espírito carnavalesco.

Nesta entrevista a seguir, Miguez fala sobre a influência cultural e econômica do carnaval para a Bahia e, principalmente, Salvador; sobre a estádio de disputas entre espaço público e privado; sobre levante segundo ano sem carnaval.

Brasil de Indumentária BA: Professor, para prelúdios de conversa, poderia nos falar um pouco sobre o papel cultural e econômico do carnaval na Bahia?

Paulo Miguez: O carnaval é, seguramente, uma das expressões simbólicas mais vivas, mais importantes da vida baiana. A essa dimensão simbólico-cultural veio juntar-se, a partir das duas últimas décadas do século pretérito, por conta da constituição de um mercado da sarau, uma dimensão sócio-econômica que hoje tem uma relevância, uma influência imensa para a cidade de Salvador e para sua economia.

:: Ambulantes fazem protesto no Rio de Janeiro por obséquio maior depois cancelamento do carnaval ::

Seja pela mobilização de recursos, tanto do mundo público quanto do mundo privado, para realização da sarau, seja também pelo número de pessoas que têm na sarau um momento, um espaço para produzir renda através das ocupações mais diversas, do ambulante, catador de lata, até trabalhadores que estão envolvidos em grandes negócios na sarau, uma vez que os camarotes, os blocos, os trios elétricos, etc.

Portanto, podemos expressar que um papel do carnaval na cidade hoje é, além do papel cultural, esse desde sempre e seguramente o mais importante, um papel sócio-econômico também que significa muito por conta da existência desse grande mercado da sarau.

Levante ano, mais uma vez, não temos carnaval na rua. No entanto, já estão acontecendo várias festas particulares, os ensaios dos blocos, das bandas etc. Diante desse papel que o senhor já explicou, qual pode ser o impacto dessa “privatização”, ainda que temporária, do carnaval?

Isso produz um prejuízo simbólico da mais subida influência também. Nós precisamos do carnaval até para organizarmos melhor o nosso calendário, a nossa relação com o restante do ano. Você deve perceber na sua vida que as pessoas costumam expressar: antes e depois do carnaval. O carnaval é um balizador importante, é um momento esperado fortemente durante todo o ano por boa troço dessa cidade. A não realização durante o segundo ano sucessivo, traz grandes prejuízos.

O vestimenta de termos festas privadas sendo anunciadas, sendo realizadas agora no período do carnaval, não é exatamente uma novidade. A novidade é que elas serão realizadas não na expectativa do carnaval que virá, nem na combinação com o carnaval existindo na rua, mas na tentativa de substituir o carnaval, o que me parece impossível.

Leia mais: Saudosos do Carnaval, blocos do Nordeste mantêm a esperança de transpor às ruas em 2023

Essas são festas com um espírito carnavalesco, mas não são o carnaval. O carnaval efetivamente é uma coisa que diz saudação à cidade, ao território da cidade. As festas privadas participam dessa dimensão festiva que o carnaval tem com a cidade, mas não expressam totalmente aquilo que faz do carnaval alguma coisa tão importante pra nós.

E o senhor acredita que esse formato de carnaval de 2022 vai ter impacto nos próximos carnavais?

Veja, eu não me animo a expressar que estamos experimentando um novo formato de carnaval. Eu insisto em expressar que, desgraçadamente, não temos carnaval, e teremos unicamente festas com espírito carnavalesco.

Não imagino, não creio, não acho provável que doravante o carnaval passe a ser alguma coisa exclusivamente realizado em espaços privados, fechados, sejam eles espaços de escol, sejam eles espaços populares.

Carnaval é uma frase simbólico-cultural que tem na rua, que tem no território da cidade seu lugar privilegiado.

Carnaval é uma frase simbólico-cultural que tem na rua, que tem no território da cidade seu lugar privilegiado. Portanto, desse ponto de vista, se não tivermos um outro carnaval ou se tivermos o próximo carnaval, não tenha incerteza de que a presença privada estará, obviamente, ocupando espaço, mas carnaval mesmo só tem quando tem carnaval de rua.

Essa tensão entre carnaval de rua e festas privadas não é uma novidade na Bahia, principalmente em Salvador, não é mesmo? Qual o papel do poder público nesse processo de manter um espaço popular dentro do carnaval privatizado? 

Veja, o carnaval é uma estádio de conflitos! Sempre foi assim, sempre houve disputas entre o espaço público e o espaço privado. Houve momentos em que a própria ocupação do espaço público estava interditada a determinado tipo de manifestações carnavalescas. Ou seja, sempre, ao longa da história, o carnaval foi um espaço de grandes conflitos, de grandes disputas, e continuará sendo.

Não há possibilidade de pensarmos um carnaval sem essas disputas. E aí cabe, evidentemente, ao poder público um papel importantíssimo de regular esses conflitos. Regular sempre na perspectiva daquilo que é a origem e o espírito da sarau, que é a sua presença no espaço público.

Leia também: Carnaval: saiba o que vai funcionar durante o feriado

Nesse momento, não podemos realizar carnaval por conta das condições sanitárias, por conta da pandemia, e não é provável mesmo, seria um ato sem razão imaginar a aglomeração que a sarau justificação — e ela é genial por que ela permite essa aglomeração.

Acho que vamos mais uma vez enfrentar um ano sem carnaval, um carnaval em que praticamente só existirão as festas privadas. E caberá ao poder público, com um olhar melindroso sobre isso, inclusive para que não caíamos no risco de permitir as festas privadas, mas criminalizar as festas privadas que não sejam realizadas pelos setores de escol da cidade.

Carnaval e cidade estabelecem uma relação que, qualquer tentativa de separar, produz efeitos nefastos para a cidade e para o carnaval.

Logo, é preciso um olhar melindroso para saber uma vez que é que isso vai ser disciplinado, regulado. Mas, insisto, carnaval mesmo é carnaval de rua. Ainda que a ele estejam sempre associadas manifestações privadas. Mas se só houver manifestações privadas, eu me recuso a invocar isso de carnaval. Porque carnaval e cidade estabelecem uma relação que, qualquer tentativa de separar, produz efeitos nefastos para a cidade e para o carnaval.

Manancial: BdF Bahia

Edição: Elen Roble

Manancial: Brasil de Indumentária

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.