Celso Amorim sobre conflito Rússia-Ucrânia: “não

0
5068

Nesta quinta-feira (24), o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma “operação militar peculiar” na região de Donbass, no leste da Ucrânia, e iniciou ataques a outras partes da Ucrânia. Putin afirmou que o objetivo da medida é proteger um povo das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk do “genocídio pelo regime de Kiev”.

Apesar de as tensões entre Rússia e Ucrânia movimentarem a diplomacia mundial nas últimas semanas, o ex-ministro de Resguardo e Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim não acredita que há risco iminente de uma 3ª Guerra Mundial.

“Riscos sempre existem, mas não acredito que isso aconteça. Haverá tensão, muita dificuldade, sanções, efeitos econômicos, mas não acredito que haja uma 3ª Guerra Mundial. Há muito em jogo e os riscos de ruinoso absoluta são muito grandes”, analisou Celso Amorim em entrevista exclusiva ao Brasil de Vestimenta.

Leia também: Com “diplomacia das linhas vermelhas” e força militar, Putin tenta remodelar ordem europeia

A Ucrânia decretou lei marcial, fechou a fronteira aérea e pediu espeque da Organização do Tratado do Atlântico Setentrião (Otan) para proteger suas bases militares.

A União Europeia e os Estados Unidos condenaram a ação de Moscou, emitiram mais sanções, mas negaram o envio de tropas para o território ucraniano.

O secretário universal da Otan, Jens Stoltenberg afirmou que a confederação irá proteger as fronteiras dos seus países membro com a Rússia, entre eles a Polônia, Letônia, Lituânia e Bulgária.

“É uma completa invasão da Ucrânia, vindo de distintas direções, por terreno, ar e mar. É um ataque à silêncio e soberania ucranianas”, declarou em coletiva de prensa nesta quinta-feira.

:: Rússia e Ucrânia: a cronologia de uma guerra não declarada ::

O Parlamento Europeu convocou uma sessão de emergência para a manhã desta quinta-feira para estudar a crise na Ucrânia.

“A decisão da Rússia de usar a força militar na Ucrânia está a expondo a mais sanções do Poente. Não é a toa que a Rússia está se aproximando da China”, comenta Amorim.

Somente entre os dias 18 e 20 de fevereiro houve um totalidade de 3231 ataques na região de Donbass, segundo um monitoramento de satélite da Organização para Segurança e Cooperação da Europa (OSCE).

Nas últimas semanas, vários líderes mundiais viajaram a Kiev e a Moscou para buscar uma solução pacífica às acusações mútuas de uma invasão iminente. O presidente Jair Bolsonaro também esteve na capital russa para reunir-se com Vladimir Putin.

Além das relações comerciais, um verosímil conflito com a Ucrânia também foi um dos temas de debate.

“Nunca se pode esperar zero da diplomacia brasileira no governo Bolsonaro. Acho que o ministro França tentou dar um pouco de bom siso às ações, mas ele não conseguiu. Isso independente das falas do presidente Bolsonaro em Moscou”, comenta o ex-ministro Celso Amorim.

Edição: Arturo Hartmann

Natividade: Brasil de Vestimenta

Deixe um comentário