Cientistas criam laser de perceptibilidade sintético que mata baratas

0
5204

https://www.youtube.com/watch?v=VwZunUqHbiU

Esta novidade tecnologia está disponível para o público e não é rosto, mas o observador que a criou deixa um alerta: “é um pouco perigosa”.

Toda a gente quer ser capaz de simplesmente indicar para um inseto e fazer com que ele desapareça. Agora, graças a um desenvolvimento recente de Ildar Rakhmatulin, investigador da Universidade de Heriot-Watt especializado na engenharia de máquinas, levante sonho tornou-se veras.

No estudo realizado publicado a 21 de setembro na Oriental Insects, Rakhmatulin e os co-autores utilizaram um dispositivo laser de controlo de insetos com visão mecânica, para realizar uma série de experiências com baratas.

Conseguiram não só detetar baratas com elevada precisão, uma vez que também neutralizar e estagnar insetos individuais a uma intervalo de até 1,2 metros.

Nascente é um seguimento de projetos anteriores, nos quais foi utilizado um Raspberry Pi e lasers para matar mosquitos. No entanto, Rakhmatulin utilizou agora um tipo dissemelhante de computador que permitiu uma maior precisão na deteção do inseto.

“Comecei a utilizar um Jetson Nano que me permitiu utilizar tecnologias com maior precisão para detetar um objeto”, sublinhou Rakhmatulin. O Jetson Nano é um pequeno computador que pode executar algoritmos de aprendizagem de máquinas.

O computador processa um sinal do dedo de duas câmaras para instituir a posição da barata. Transmite essa informação a um galvanómetro — uma máquina que mede a manante elétrica — e muda a direção do laser para atingir no cândido.

Rakhmatulin tentou esta feição com diferentes níveis de potência no laser. Com uma potência subordinado, descobriu que poderia influenciar o comportamento das baratas simplesmente desencadeando a sua resposta de voo com um laser.

Assim, as baratas poderiam ser treinadas para não se abrigarem numa espaço escura em pessoal. Já com uma potência mais elevada, as baratas foram “neutralizadas”.

Rakhmatulin também disponibilizou publicamente todos os dados e instruções, notando que outros podem tentar desde que tomem as devidas precauções.

“Eu uso hardware muito barato e tecnologia barata de natividade oportunidade”, salientou Rakhmatulin. “Todas as fontes são carregadas no meu GitHub e podem ver uma vez que fazer e utilizar”, acrescentou ainda, citado pela Vice.

O investigador já mencionou que algumas pessoas já começaram a testar o novo laser com outras pragas uma vez que as vespas. “Se pode danificar baratas, também pode danificar outras pragas na lavradio“.

O projeto pode no horizonte ser uma escolha às armadilhas mecânicas, muito uma vez que aos produtos químicos que muitas vezes danificam o envolvente e atingem espécies de insetos não prejudiciais. Para ou por outra, é mais barato e mais compacto do que outras tecnologias atuais de controlo de pragas.

Embora o protótipo seja adequado à investigação académica, há muito mais a fazer antes de poder ser implantado numa graduação maior. Por exemplo, o estudo observa que um laser mais pequeno seria mais eficiente para matar as baratas, mas é difícil de implementar nas experiências.

A capacidade de controlar com precisão quais as partes do corpo da barata são atingidas também seria uma propriedade útil, refere ainda o estudo.

Infelizmente, também não está totalmente pronto para uso doméstico, pelo menos ainda não. “Não é recomendado porque é um pouco perigoso“, alertou Rakhmatulin. “Os lasers podem danificar não só as baratas, mas também os olhos”.

  Alice Carqueja, ZAP //

Seja um visitante de carteirinha, assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos

Deixe um comentário