Cientistas descobrem piscinas suboceânicas capazes de matar qualquer organização que nelas entrem

0
455

Invenção pode resolver três problemas que intrigam os cientistas há décadas.

Uma novidade invenção de habitats extremos poder ajudar-nos a resolver três mistérios numa só tentativa, ou seja, fornecer novos conhecimentos sobre uma vez que os oceanos da Terreno se formaram, revelar os segredos da vida extraterrestre e, ainda, desvendar potenciais compostos de combate ao cancro.

Tudo graças a uma equipa de investigadores da Universidade de Miami, que descobriu enormes piscinas de águas profundas no Mar Vermelho que rapidamente matam ou paralisam qualquer coisa que entre nelas, de simetria com um relatório da Live Science.

A vida existe na periferia destas armadilhas de morte aquáticas, no entanto, quaisquer animais com pouca sorte que mergulhem aquém da superfície não sobrevivem. Todavia, estas raras piscinas de salmoura podem reter pistas sobre alterações climáticas milenares na região e podem mesmo lançar luz sobre as origens da vida na Terreno, mostra um estudo publicado na revista Nature Communications Earth and Environment.

As piscinas de salmoura são lagos extremamente salgados que se formam no fundo do mar. Estão entre os ambientes mais extremos do nosso planeta, devido ao facto de serem desprovidos de oxigénio e terem níveis letais de salina. São também conhecidas pelos seus micróbios extremófobos, que podem dar mais dados sobre uma vez que a vida começou na Terreno e uma vez que a vida poderia evoluir em mundos ricos em chuva.

As piscinas de salmoura do mar profundo só são conhecidas em três corpos de chuva: o Golfo do México, o Mar Mediterrâneo, e o Mar Vermelho. Acreditava-se que todas as piscinas de águas profundas no Mar Vermelho estavam localizadas a pelo menos 25 km da costa. Todavia, levante estudo estabeleceu que, com os cientistas a desvendar as primeiras piscinas deste tipo no Golfo de Aqaba, um enclave do Setentrião do Mar Vermelho. Cá, os lagos salgados situam-se a 2 km da costa.

Os cientistas descobriram as piscinas salgadas a 1,77 quilóometros sob a superfície do Mar Vermelho durante uma expedição de 2020 a bordo do navio de investigação OceanX OceanXplorer, utilizando um veículo subaquático operado à pausa. As novas piscinas de salmoura foram designadas NEOM.

“A esta grande profundidade, não há normalmente muita vida no fundo do mar”, explicou ao Live Science o responsável principal Sam Purkis, professor e presidente do Departamento de Geociências Marinhas da Universidade de Miami. “No entanto, as piscinas de salmoura são um rico oásis de vida. Tapetes espessos de micróbios suportam um conjunto diversificado de animais”.

Devido à sua proximidade da costa, estas piscinas podem ter adquirido escorrimentos de terreno, que misturariam materiais terrestres na sua formação química. Uma vez que resultado, poderiam potencialmente servir de registo de tsunamis, inundações e terramotos ao longo de milhares de anos.

Sam Purkis observou que as amostras do núcleo retiradas das piscinas de salmoura recentemente descobertas fornecem “um registo ininterrupto de chuvas passadas na região, que se estendem há mais de 1.000 anos, mais registos de terramotos e tsunamis”.

E, de simetria com as conclusões da equipa, as grandes inundações provocadas por fortes chuvas “ocorrem tapume de uma vez em cada 25 anos, e os tsunamis [ocorrem] tapume de uma vez em cada 100 anos”, o que poderia mudar a perspetiva dos projetos de infra-estruturas maciças que estão atualmente em construção no litoral da região.

As implicações da invenção não se ficam por aí, uma vez que a piscina poderia também produzir descobertas microbianas que poderiam ajudar no desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos. Por exemplo, os microrganismos de águas profundas que habitam em piscinas de salmoura produziram anteriormente moléculas com efeitos antibacterianos e anticancerígenos. E, numa graduação cósmica, as piscinas de salmoura poderiam também ajudar-nos a revelar os segredos da vida extraterrestre.

“O nosso entendimento atual é que a vida teve origem na Terreno no mar profundo, quase certamente em condições anóxicas — sem oxigénio -“, explicou Purkis. “As piscinas de águas profundas são um grande análogo para a Terreno primitiva e, apesar de estarem desprovidas de oxigénio e hipersalinas, estão repletas de uma rica comunidade dos chamados micróbios ‘extremófilos’.

Estudar esta comunidade permite assim vislumbrar o tipo de condições em que a vida apareceu pela primeira vez no nosso planeta, e pode orientar a procura de vida noutros ‘mundos aquáticos’ no nosso sistema solar e mais além”.

  ZAP //

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.