Cientistas descobrem uma desculpa auto-imune de esquizofrenia

0
417

A esquizofrenia é uma doença mental grave que afeta a forma uma vez que uma pessoa pensa, sente e se comporta. Os sintomas podem tornar difícil participar em atividades normais do dia-a-dia.

Investigadores da Universidade Médica e Dentária de Tóquio (TMDU) descobriram que algumas pessoas com esquizofrenia têm auto-anticorpos — são criados pelo sistema imunitário e reconhecem as proteínas do próprio corpo, em vez de ameaças externas uma vez que vírus ou bactérias — contra uma proteína que é importante para a notícia entre as células cerebrais chamada NCAM1.

Os auto-anticorpos dos doentes também causaram comportamentos relacionados com a esquizofrenia em ratos. Esta invenção pode melhorar o diagnóstico e o tratamento de um subconjunto de doentes com esquizofrenia.

A esquizofrenia é uma desordem que afeta a forma uma vez que as pessoas agem e pensam, muito uma vez que a sua perceção da verdade. É muitas vezes difícil de tratar, porque tem muitas causas e sintomas diferentes, segundo a SciTechDaily.

Num novo estudo publicado na revista Cell Reports Medicine, investigadores da TMDU identificaram uma proteína auto-anticorpo — proteína produzida pelo sistema imunitário para se vincular a uma substância específica do próprio corpo do quidam, em vez de a uma substância estranha uma vez que um vírus ou uma bactéria — em alguns pacientes com esquizofrenia.

Descobriram também que oriente auto-anticorpo, quando injetado em ratos, causou comportamentos semelhantes aos da esquizofrenia e alterações cerebrais.

Ao considerar possíveis auto-anticorpos que poderiam fomentar esquizofrenia, os cientistas tinham em mente uma proteína específica. Pesquisas anteriores sugeriram que a molécula de adesão das células neurais (NCAM1) pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da esquizofrenia.

A NCAM1 ajuda as células do cérebro a falar umas com as outras através de ligações especializadas conhecidas uma vez que sinapses.

“Decidimos procurar auto-anticorpos contra a NCAM1 em muro de 200 pessoas saudáveis e 200 com esquizofrenia”, explica Hiroki Shiwaku, responsável principal do estudo.

“Só encontrámos estes auto-anticorpos em 12 doentes, sugerindo que podem estar associados à doença em unicamente um pequeno subconjunto de casos de esquizofrenia”, sublinha o investigador.

A equipa de investigação não parou por aí e tentou compreender melhor se estes auto-anticorpos podiam fomentar quaisquer alterações que, normalmente, ocorrem na esquizofrenia, pelo que purificaram auto-anticorpos de alguns dos doentes e injetaram-nos no cérebro de ratos.

“Os resultados foram impressionantes”, revelou Hidehiko Takahashi, também responsável do estudo. “Embora os ratos só tivessem estes auto-anticorpos no cérebro durante um pequeno período de tempo, tiveram mudanças no seu comportamento e sinapses semelhantes ao que se vê nos humanos com esquizofrenia”.

Especificamente, os ratos com os auto-anticorpos dos doentes tinham deficiências cognitivas e alterações na sua regulação do revérbero tremendo, que são ambas vistas noutros modelos animais de esquizofrenia.

Tinham ainda menos sinapses e espinhas dendríticas, que são estruturas importantes para as ligações entre as células cerebrais, também afetadas na esquizofrenia.

Oferecido que esquizofrenia afeta as pessoas de formas muito diferentes e costuma ser resistente ao tratamento, os resultados deste estudo são promissores.

Se a esquizofrenia for de facto causada por auto-anticorpos contra NCAM1 em alguns doentes, isto conduzirá a importantes melhorias no seu diagnóstico e tratamento.

  ZAP //

Deixe um comentário