Cientistas manipularam fisicamente cromossomas (e descobriram um tanto inesperado)

0
5042

Veer I. P. Keizer

Um novo estudo realizado por cientistas do Institut Curie e Sorbonne Université sugere que os cromossomas são fluidos — quase líquidos — fora das suas fases de repartição.

Pela primeira vez, os cientistas conseguiram manipular fisicamente cromossomas no núcleo das células vivas. E descobriram um tanto inesperado.

Quando não se encontram em período de repartição, os cromossomas são fluídos — quase líquidos, flexíveis e capazes de se movimentar livremente.

Até agora, os cromossomas eram representados uma vez que canudos entrelaçados, e com a consistência de um gel.

Mas a sua manipulação física permitiu agora aos cientistas concluir que os cromossomas não são limitados por outros componentes do núcleo e podem reorganizar-se a si próprios.

O trabalho, que cruza os campos da Física e da Biologia, muda completamente a teoria até agora aceite da morfologia e comportamento do cromossoma, estrutura altamente organizada da célula, que contém o material genético de um organização.

O estudo foi realizado em colaboração com os laboratórios de Dinâmica Nuclear, Físico-Química e Biologia Celular, e de Cancer1 e cientistas do MIT.

Os investigadores anexaram nanopartículas magnéticas a uma pequena porção de um cromossoma numa célula viva, segundo relata o estudo, publicado na Science.

Depois, utilizando um pequeno íman fora da célula, esticaram o cromossoma com vários graus de tensão. Os cientistas conseguiram, assim, instituir a resposta de um cromossoma a pressões externas, através nascente método utilizado pela primeira vez numa célula viva.

Através destas experiências, os investigadores demonstraram que a conformação de um cromossoma pode ser significativamente alterada pela gama de forças normalmente presentes no núcleo, tais uma vez que as exercidas pelas enzimas que replicam o ADN, segundo a Tech Explorist.

“Esta invenção significativa na interface entre a física e a biologia altera a compreensão convencional dos cromossomas. Também oferece novas informações à nossa compreensão da biofísica dos cromossomas, da estrutura do genoma, e das atividades biológicas”, concluíram os investigadores.

  ZAP //

Deixe um comentário