Data da erupção do vulcão Thera reduzida a três possibilidades

0
2425

Boaworm / Wikimedia Commons

Uma técnico da Universidade do Arizona está mais perto do que nunca de datar a erupção do vulcão Thera — um objetivo que persegue há décadas.

Charlotte Pearson, professora no Laboratório de Investigação de Tree-Ring, é a autora principal de um novo estudo, publicado a 29 de abril na PNAS Nexus, que combina um conjunto de técnicas distintas para confirmar a origem de uma erupção vulcânica em 1628 a.C.

Pensava-se que a erupção era do vulcão Thera, na ilhota grega de Santorini, mas Pearson e os restantes investigadores descobriram que se tratava do vulcão do Alasca, Aniakchak II, de consonância com a Phys Org.

Esta novidade invenção ajuda os investigadores a reduzir o pausa no qual a verdadeira erupção de Thera teve lugar.

A erupção de Thera, que se sabe ter ocorrido qualquer tempo antes de 1500 a.C., enterrou a cidade de Akrotiri em mais de 130 pés de escombros. Mas a data exata da erupção e o seu impacto no clima têm sido debatidos há décadas.

Se uma erupção vulcânica for suficientemente grande, pode ejetar súlfur e diversos tipos de detritos — genericamente designados tefra — para a estratosfera, para locais muito distantes.

O dióxido de súlfur da erupção que o faz entrar na atmosfera superior reflete o calor do sol e provoca a subtracção da temperatura em todo o mundo.

Esta mudança climática reflete-se nas árvores, que crescem menos, ou em anéis de geada, que marcam efetivamente o ano em que a erupção ocorreu.

O súlfur e a tefra também podem chover nos polos da Terreno, onde são preservados em camadas de gelo.

Quando os núcleos de gelo são analisados, a quantidade de sulfato neles contida também pode ser utilizada para prezar o provável impacto de uma erupção no clima.

As erupções de sulfato proeminente têm maior potencial para motivar alterações de limitado prazo no clima. Ao mesmo tempo, a tefra dos núcleos de gelo, que tem uma sensação do dedo geoquímica única, pode ser utilizada para vincular o súlfur e o gelo a uma nascente vulcânica.

A equipa de investigação — que incluiu Michael Sigl da Universidade de Berna e uma equipa internacional de geoquímicos — alinhou dados de anéis de árvores e de núcleos de gelo na Antártida e na Gronelândia, para produzir um registo de erupções vulcânicas, ao longo do período em que Thera deve ter ocorrido — 1680 a 1500 B. C.

Utilizaram amostras de sulfato e tefra para excluir vários dos eventos com datas potenciais de Thera e utilizaram técnicas de subida solução para confirmar, através dos núcleos de gelo, qual das erupções registadas em 1628 a.C. foi Aniakchak II.

A data exata da erupção de Thera continua por confirmar, mas a equipa reduziu-a para: 1611 a.C., 1562-1555 a.C. ou 1538 a.C.

Uma vez que estudante universitária em 1997, Pearson leu dois artigos que não só despertaram o seu interesse pela ciência das árvores, porquê também marcaram o ponto de partida do maior debate sobre a data de Thera.

O primeiro estudo, escrito pelos investigadores Valmore LaMarche e Katherine Hirschboeck, da UArizona, identificou danos causados pela geada em anéis de pinho da Califórnia, que correspondiam ao ano de 1627 a.C.

O outro item, de Mike Baillie da Queen’s University e Martin Munro da UArizona, identificou um período de anéis de árvores muito estreitos, em carvalhos da Irlanda, que começou no ano 1628 a.C.

Ambas as anomalias dos anéis de árvores indicaram o tipo de mudança climática abrupta e severa que ocorre quando os vulcões “vomitam” sulfato na estratosfera.

Ambos os estudos ligaram o aro de árvores a Thera porque, na fundura das investigações, Thera era a única erupção conhecida nesse período de tempo.

Mas o último trabalho de Pearson confirma que essas anomalias dos anéis de árvores são, na veras, provas de uma erupção dissemelhante e invulgarmente elevada de sulfato — o vulcão Aniakchak II de Laska.

PUBLICIDADE

Charlotte Pearson

As crateras vulcânicas de Aniakchak II (E) e Thera (D)

“Vimos oriente mesmo evento que apareceu em anéis de árvores a 7.000 quilómetros de intervalo, e agora sabemos de uma vez por todas que esta erupção maciça não é Thera”, sublinhou Pearson.

“É bastante satisfatório ver essa relação original resolvida. Também faz todo o sentido que Aniakchak II se revele uma das maiores erupções de sulfato nos últimos 4.000 anos — as árvores têm-nos dito isso desde o início”, realçou.

As provas arqueológicas sugerem que a data da erupção de Thera está mais próxima de 1500 a.C., enquanto algumas datações por radiocarbono sugerem que está mais próxima de 1600 a.C.

Sou em prol do meio-termo. Mas estamos realmente perto de ter uma solução final para oriente problema. É importante permanecer desimpedido a todas as possibilidades e continuar a fazer perguntas”, acrescentou Pearson.

“O estudo das provas nesta investigação é comparável a casos criminais, onde se deve provar que os suspeitos estão ligados tanto à cena porquê à hora do violação”, nota Sigl. “Unicamente neste caso, os vestígios já têm mais de 3.500 anos”.

O estudo também confirma que qualquer impacto climatológico de Thera teria sido relativamente pequeno, com base em comparações de picos de sulfato das erupções documentadas mais recentes.

O passo seguinte é tornar aos possíveis anos de erupção de Thera e extrair mais informação química do súlfur e da tefra nos núcleos de gelo.

Em alguma parte num desses sulfatos, pode ter um pedaço de tefra que teria um perfil químico correspondente a Thera.

PUBLICIDADE

“Esse é o sonho. Depois terei de encontrar outra coisa para permanecer obcecada”, atirou Pearson. “Por agora, é bom estar mais perto do que alguma vez estivemos“.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.