Depois paralisação, Justiça do Rio determina retorno inopino de

0
5129

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) no Rio de Janeiro determinou, na tarde desta sexta-feira (25), que os motoristas do sistema de ônibus do BRT retornem imediatamente ao trabalho, sob pena de multa diária de R$ 100 milénio para o sindicato da categoria em caso de descumprimento da decisão liminar.

A medida judicial é uma resposta à greve iniciada na manhã desta sexta-feira (25), uma semana em seguida a Prefeitura do Rio assumir o controle do sistema de transporte por meio da empresa Mobi-Rio. A ação da gestão do prefeito Eduardo Paes (PSD) vale até a realização de uma novidade licitação para a operação do BRT.

Leia mais: Motoristas do BRT do Rio entram em greve; Paes diz que movimento tem escora de empresários

Com a paralisação desta sexta-feira, muro de 200 ônibus articulados deixaram de rodear nas faixas exclusivas da cidade, provocando transtorno para a população que ia para o trabalho no início do dia. Segundo o Sindicato dos Rodoviários, 480 motoristas trabalham no BRT (Bus Rapid Transit, ônibus de trânsito rápido).

Por conta da mudança, representantes da categoria reivindicam novos contratos, com direitos trabalhistas. Mas o prefeito do Rio afirmou, mais cedo, que foi surpreendido pela greve sem aviso prévio, chamou a paralisação de “absurda” e disse que o movimento é um locaute (greve sintético articulada por patrões, e não por trabalhadores).

No meio da polêmica, está a pugna entre o poder público da cidade e a Rio Ônibus, representante no setor privado dos empresários de ônibus do Rio, e que foi contrária ao decreto de Eduardo Paes para fazer prescrever parcialmente os contratos de licença do BRT.

“É uma tentativa de empresários para chantagear a Prefeitura. O objetivo deles é impedir que as mudanças necessárias para restaurar o sistema sejam implementadas. Deveriam agir com racionalidade e prestar um serviço digno em vez de tentar ocupar a licença na marra. Ninguém vai nos impedir de fazer uma novidade licitação”, disse Paes.

Leia também: BRT de Salvador é tragédia anunciada, mas obras são retomadas em meio ao caos

Mais cedo, a Prefeitura do Rio chegou a anunciar um projecto de contingência para reduzir os transtornos causados pela greve que afetou todo o sistema. Na decisão liminar desta tarde, a desembargadora Edith Maria Correa Coutinho afirmou que a greve causou transtorno “a uma parcela significativa da população carioca atendida pelo sistema BRT”.

Manancial: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda

Manancial: Brasil de Veste

Deixe um comentário