Descobertos os túmulos de dezenas de reis britânicos da Idade das Trevas

0
3809

John Garrick / Wikimedia

“A Morte do Rei Artur”, pintura de John Garrick.

Um novo estudo identificou os prováveis locais de enterro de até 65 reis britânicos e membros da realeza da Idade das Trevas.

A invenção constitui um marco na investigação arqueológica britânica, visto que, até agora, unicamente tinha sido encontrado um enterro pós-romano de um régio britânico indígena da Idade das Trevas. No entanto, arqueólogos já encontraram nove túmulos reais anglo-saxões no pretérito.

O item, publicado na revista Journal of the Royal Society of Antiquaries of Ireland, destaca 20 prováveis complexos funerários reais, cada um com até cinco sepulturas, que parecem datar dos séculos V e VI dC. Há ainda mais 11 complexos funerários em consideração pelos investigadores.

Durante esse período, posteriormente o colapso da Grã-Bretanha romana, o leste e o sul da Inglaterra foram divididos em dezenas de pequenos reinos governados por reis anglo-saxões de origem totalidade ou parcialmente germânica.

No oeste e no setentrião, dinastias reais pós-romanas surgiram de origens dinásticas principalmente celtas nativas britânicas ou de origem irlandesa, explica a BBC.

Há muitos milhares de cemitérios celtas britânicos da Idade das Trevas, mas normalmente todos parecem muito semelhantes.

O responsável principal do item, Ken Dark, descobriu que eram sepulturas reais por desculpa de um detalha incomum que mostra um regime mais cimalha do que outros cemitérios da Idade das Trevas. Estes estavam cercados por valas, que comprova que eram especiais.

Entre os enterros mais importantes estão os identificados em Caernarfon e Anglesey, no setentrião do País de Gales, e o mítico sítio arqueológico em Tintagel, lugar frequentemente associado à mito do Rei Artur.

“Sabemos que o principal posto político nestas sociedades era a realeza, logo se vemos alguns enterros destacando-se desta maneira, é provável que sejam os enterros de reis”, realçou Ken Dark, das universidades de Reading, em Inglaterra, e de Navarra, em Espanha.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário