Doria mantém ouvidor considerado “omisso” em

0
5234

Da varanda do prédio da Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo ecoava um jogral. Os integrantes da Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio – coletivo que atua contra a violência estatal desde 2017 – afirmavam, em voz subida, que a ocupação que fizeram do prédio durante quatro horas, na última segunda-feira (21), é para que o novo ouvidor seja, finalmente, nomeado.

Essa foi mais uma entre outras ações de movimentos populares, porquê um ato no último dia 17, para pressionar o governador João Doria (PSDB) a fechar uma romance que se arrasta desde o termo do ano pretérito. O ouvidor Elizeu Lopes, que deveria ter encerrado seu procuração em 6 de fevereiro, segue ocupando o função de forma interina.

Em novembro foi feita a eleição da lista tríplice dos candidatos a comandar a Ouvidoria da Polícia de São Paulo durante o biênio 2022-2023. O órgão é ligado à Secretaria de Segurança Pública e tem porquê atribuições o recebimento de denúncias e o encaminhamento de cobranças relativas a ações das polícias militar, social e científica. Trata-se de um órgão de controle de umas das forças estatais mais violentas do país.

:: Sitiada há dez dias, comunidade denuncia agressões de policiais em retaliação a morte de PM ::

No entanto, na ata feita pelo Parecer Estadual de Resguardo dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), que conduz a eleição, houve um erro de digitação. No Quotidiano Solene, foi publicado que o segundo mais votado teria sido Elizeu Lopes, quando na veras ele não recebeu votos suficientes para imaginar a lista tríplice.  

Para resolver a situação, basta que o governo do Estado publique uma errata no Quotidiano Solene, para que o Condepe formalize a apresentação da verdadeira lista tríplice ao governador. Até o momento isso não aconteceu e, logo, o processo está travado.  

“Golpe de Doria” 

Helder Aguiar da Silva é articulador da Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio, organização que considera o imbróglio “um golpe de João Doria”. 

“O governador se nega a publicar a errata e dar seguimento à mudança de ouvidor, que já deveria ter sido escolhido. Essa protelação ocorre com a intenção de manter o atual ouvidor, que é omisso para encaminhar denúncias contra a polícia, e de propiciar a política de acobertamento de crimes praticados por agentes do Estado na gestão Doria”, avalia Helder.  

Para Dimitri Sales, presidente do Condepe, “há uma ingerência política do governo do Estado, uma vez que não há fundamentação jurídica para a não publicação da errata solicitada”.  


A Ouvidoria das Polícias de São Paulo foi ocupada pelos manifestantes das 10h às 14h desta segunda-feira (21) / Rede contra o Genocídio

O candidato mais votado para ser o novo ouvidor da Polícia de São Paulo foi Renato Simões, indicado pelo Instituto Terreno Trabalho e Cidadania (ITTC). Formado em Filosofia e com pós-graduação em Direitos Humanos, Simões é do Partido dos Trabalhadores (PT), pelo qual exerceu três mandatos de deputado estadual em São Paulo.  

Sem previsão  

Procurada, a Secretaria da Justiça e Cidadania do governo estadual afirmou que “os serviços prestados pela Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo continuam funcionando normalmente” e não deu previsão para a nomeação do novo ouvidor. 

O órgão informou, ainda, que o processo eleitoral “segue em instrução” em razão “da urgência de diversas retificações e considerando a representação feita pelo deputado estadual coronel Telhada, que apontou itens que carecem de esclarecimentos”.  

:: Justiça do Rio converte em preventiva prisão de PM que matou vendedor de balas em Niterói ::

Atualmente no segundo procuração na Parlamento Legislativa de São Paulo pelo Progressistas (PP), o policial militar da suplente já foi comandante da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar, tropa de escol da PM paulista).  

Dimitri Sales ressalta, no entanto, que “a publicação da errata independe da estudo do processo do coronel Telhada”. Em sua visão, “o governo está usando de uma manobra política”. 

“Hoje temos um ouvidor que não representa a sociedade social, que está submetido ao comando do governador e que, portanto, não tem autonomia nem legitimidade para treinar o controle da atividade policial”, afirma o presidente do Condepe.  

O Brasil de Indumento entrou em contato com a assessoria do ouvidor interino, que informou que ele não se pronunciará. 

Violência policial 

O estado paulista foi o primeiro do Brasil a produzir uma Ouvidoria das Polícias, no ano de 1997, dezena de cima índice de mortes praticadas pelo Estado nas periferias de São Paulo. Não à toa os Racionais MC’s buscavam a Fórmula mágica da tranquilidade.  

Aparentemente, ela ainda não foi encontrada. Durante a gestão de João Doria no governo de São Paulo, a polícia bateu o recorde de mortandade em um semestre desde que a série histórica começou a ser contabilizada, em 2001.  

Foi quando 514 pessoas foram assassinadas pelas forças estatais só na primeira metade de 2020. Naquele primeiro ano de pandemia a polícia paulista matou, no totalidade, 814 pessoas.  

Os dados são da própria Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo. Segundo o órgão, no ano de 2021 o número de vítimas fatais das forças do Estado foi 570. 

“Ocupamos o prédio da Ouvidoria em ato pelo seu fortalecimento, enquanto um órgão de controle social importante para quem sofre violência policial, que são as populações pobres e racializadas. Por isso seguimos na mobilização nas periferias”, afirma Helder. 

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Manadeira: Brasil de Indumento

Deixe um comentário