“Elixir da vida” levou à morte do primeiro imperador chinês (e deu origem ao Tropa de Terracota)

0
728

Tris T7 / Wikimedia

O primeiro imperador chinês, Qin Shi Huang.

A procura incessante pelo “elixir da vida” levou à morte do primeiro imperador chinês, Qin Shi Huang — e deu origem ao Tropa de Terracota.

O elixir da vida, também publicado uma vez que elixir da imortalidade, é um mito histórico de uma bebida que alegadamente revertia o envelhecimento e tornava imortais as pessoas que a bebessem.

Os antigos magos acreditavam poder recolher as energias vitais e concentrá-las num medicamento universal que manteria o corpo jovem e são, com o objetivo de prolongar a vida de alguns sortudos.

Iludidos com a promessa de uma vida eterna, muitas pessoas ao longo da história beberam supostos “elixires da juventude”. Se em alguns casos, a poção não surtia qualquer tipo de efeito na pessoa, noutros casos era pior a emenda que o soneto.

Que o diga Qin Shi Huang, o primeiro imperador da China, que unificou a China e ordenou a construção da Muro da China. O imperador, lembrado uma vez que um tirano autocrático, morreu dos efeitos tóxicos de consumir um elixir, que era feito de mercúrio.

O seu susto de morrer foi aquilo que acabou por levar à sua morte. Nos últimos dez anos da sua vida, Qin ordenou que todos os eruditos, mágicos e sábios da região procurassem incansavelmente um elixir da imortalidade.

Quando o imperador ouviu boatos de que os alquimistas que lhe prometeram o elixir estavam a enganá-lo, Qin Shi Huang ficou furioso. Segundo o site Ancient-Origins, 460 dos homens mais sábios do reino foram enterrados vivos numa grande cova.

O imperador morreu no ano de 210 aC, numa profundeza em que estava a tomar uns comprimidos que um dos seus alquimistas tinha prometido que o tornariam imortal. Estes estavam carregados de mercúrio, um substância generalidade em vários elixires chineses, mas que só séculos depois se descobriu ser altamente prejudicial para a saúde.

O imperador, que conquistou os seis reinos que integravam a China, dando forma ao país uma vez que o conhecemos hoje, morreu aos 49 anos, segundo historiadores.

Qin construiu a Grande Muro da China, forjou um vasto soberania — impondo sistemas únicos de escrita, numerário, pesos e medidas e construindo canais e estradas — e ordenou que um tropa “eterno” de guerreiros o acompanhasse para o Além.

Foi mal os seus súbditos construíram o formidável Tropa de Terracota, explica a BBC, uma coleção de esculturas de 8 milénio soldados que foram enterrados com o imperador.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário