ELN anuncia ação armada durante 72h na Colômbia e

0
4741

O Tropa de Liberação Vernáculo (ELN) deu início nesta quarta-feira (23) a uma ação armada de três dias na Colômbia. Em expedido, guerrilha afirma que medida é contra o presidente Iván Duque e sugere que as pessoas não saiam das suas casas entre 6h desta quarta-feira (23) de fevereiro até 6h da sexta-feira (26). O pregão foi divulgado a duas semanas das eleições legislativas no país.

“A circulação só será permitida em casos humanitários, atividades funerárias ou emergências hospitalares”. O grupo finaliza o expedido com “fora Duque e seu mau governo”.

Em resposta, o ministro da Resguardo, Diego Molano, afirmou que as forças de segurança estão distribuídas em todo território colombiano, “preparadas para enfrentar ameaças”.

O funcionário classificou o expedido porquê um “panfleto para amedrontar o país” e voltou a sugerir que os dirigentes da guerrilha “controlam rotas de narcotráfico mesmo estando na Venezuela”.

Leia também: Colômbia e Venezuela militarizam fronteira e trocam acusações

Apesar das acusações contra a guerrilha, há uma semana a Colômbia exonerou o general Jorge Hernando Herrera Díaz, que controlava a 6ª Ramificação do Tropa, depois confirmação de acordos realizados pelo militar com chefes da faccção Los Pocillos, responsável pelo narcotráfico na região de Amazonas, Caquetá, Cauca e Putumayo.

“Antes eram oficiais de menor escalão, mas agora nascente: a máxima domínio militar, um general de quatro estrelas relacionado com cartéis que exportam droga pelo Pacífico. Mostra uma subida relação do regime com os narcotraficantes. Essa é a veras”, comenta com exclusividade ao Brasil de Vestimenta o dirigente da delegação de tranquilidade do ELN, Pablo Beltrán.

Na última semana, em reunião com o secretário-geral do Tratado do Atlântico Setentrião (Otan), o presidente Iván Duque também havia enviado mensagens hostis ao país vizinho. Desde janeiro, a fronteira colombo-venezuelana, entre os estados de Arauca e Apure, está militarizada depois suposta invasão do território venezuelano por membros do ELN e das dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Já Beltrán sustenta que a única relação entre ELN e Venezuela é o respaldo do governo venezuelano ao diálogo. “Não há base de sustentação para essa denúncia. Há anos nós enviamos uma missiva ao governo dos Estados Unidos propondo rediscutir a política antidrogas, que tem falhado. Propusemos que se criem comissões investigativas que visitem nossos territórios e vejam se existe essa relação com o tráfico de drogas. Até hoje não tivemos respostas”, afirma o segundo comandante da guerrilha.

O ELN foi criado em 1964, sob inspiração da Revolução Cubana e da Teologia da Libertação, e é o último grupo insurgente com ação vernáculo reconhecido na Colômbia depois os Acordos de Tranquilidade de 2016. Com a chegada de Iván Duque à presidência, as mesas de diálogo com os elenos foi suspensa.

“A delegação de diálogo do ELN continua sentada na mesa de negociação, e continua esperando pelos representantes do governo. Se o governo quiser enviar seus delegados, mesmo faltando menos de 6 meses para ultimar sua gestão, ao menos poderia iniciar alguma coisa que seguiria com seu sucessor. Essa era nossa expectativa”, comenta Beltrán. 

Com murado de 2,3 milénio membros, a maior presença do grupo guerrilheiro se concentra nos departamentos de Arauca, Cauca, Chocó, Nariño, Catatumbo e Antioquia, segundo a Instalação Tranquilidade e Reconciliação (Pares).

Edição: Arturo Hartmann

Manadeira: Brasil de Vestimenta

Deixe um comentário