Encontrado túnel subterrâneo que pode levar até Cleópatra

0
6978

Wikimedia

Um túnel subterrâneo recentemente desvelado sob um templo egípcio pode levar até ao túmulo da famosa rainha Cleópatra.

O Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito anunciou a invenção de um túnel por grave do Templo Taposiris Magna, a oeste de Alexandria, no Egito. O enorme túnel, que foi descrito uma vez que um “milagre geométrico” estende-se por 1.300 metros.

A dimensão está sob investigação na procura do túmulo há muito perdido da rainha Cleópatra, escreve o Ancient-Origins.

Em transmitido, o Ministério descreve ainda que o túnel foi desvelado 13 metros inferior do solo e tem dois metros de fundura. Uma segmento do túnel foi invenção submersa, depois de pelo menos 23 terremotos atingirem a costa egípcia entre 320 d.C e 1303 d.C.

Durante as épocas de escavação anteriores, os arqueólogos encontraram vários artefactos importantes dentro do templo, incluindo moedas com as imagens e nomes da Rainha Cleópatra e de Alexandre, o Grande, entre outras coisas.

As descobertas dos últimos 14 anos de escavações deixaram Kathleen Martínez mais certa de que está perto do túmulo perdido de Cleópatra e seu amante Marco António.

Cleópatra nasceu em Alexandria, a portanto capital do Egito. Filha de Ptolomeu XII e Cleópatra V, teve cinco irmãos: dois homens, com quem casou, um de cada vez, e três mulheres. Rainha do Egito durante mais de 20 anos, Cleópatra foi uma das mulheres mais famosas da Antiguidade, sendo reconhecida por sua habilidade política e personalidade potente.

Aquilo que conhecemos dela é mais fundamentado em mitos do que em factos históricos, uma vez que refere a National Geographic. Cleópatra ficou conhecida por se ter envolvido com dois dos mais poderosos homens do Predomínio Romano: Júlio César e, precisamente, Marco António.

Cleópatra tinha uma reputação de femme fatale. O estereótipo da rainha sedutora acabou por ofuscar os atributos da estrategista que chegou a financiar as campanhas militares de Marco António.

Um desses historiadores foi o Plutarco, que na biografia que escreveu sobre Marco António, retratou o par uma vez que “depravado”. Plutarco não foi o único. Cleópatra foi chamada de “rainha prostituta” por Propércio, “monstro irremissível” por Horácio e “vergonha do Egito” por Lucano.

Houve descobertas durante as escavações que sugerem que os investigadores estarão no caminho claro para encontrar o túmulo de Cleópatra.

Por exemplo, detrás do templo, foi invenção uma necrópole, contendo muitas múmias de estilo greco-romano que foram enterradas com o rosto voltado para o templo. Isto significa que é provável que o templo continha uma importante personalidade real, uma vez que Cleópatra.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário