Erro em equação de Schrödinger muda o que sabemos sobre perceção de cores

0
2798

Los Alamos National Laboratory

Esta visualização capta o espaço matemático 3D usado para mapear a perceção humana de cores.

Investigadores do Laboratório Pátrio de Los Alamos, nos Estados Unidos, descobriram um erro matemático numa equação que explica porquê é que os nosso olhos percecionam diferentes cores.

Schrödinger é espargido hoje porquê o pai da Física Quântica e é em grande segmento lembrado pela sua famoso teoria sobre o gato de Schrödinger.

Há mais de 100 anos, o observador premido com o Nobel da Física criou o espaço matemático 3D para explicar porquê o olho pode diferenciar uma cor de outra.

A forma porquê os humanos percecionam as cores ajudou imensamente no processamento de imagens de gráficos de computador e tarefas de visualização. Esta novidade invenção pode ajudar as indústrias de televisão e pintura a reformatar a forma porquê criam imagens e cores.

“A forma assumida do espaço de cores requer uma mudança de paradigma”, explica Roxana Bujack, observador da computação no Laboratório Pátrio de Los Alamos, num transmitido enviado à prelo.

Embora o objetivo da equipa de investigadores não fosse desmentir uma teoria fundamental da matemática, “provar que uma delas estava errada é praticamente o sonho de um observador”, salientou Bujack.

A teoria de Bujack e companhia era produzir algoritmos matemáticos para aprimorar mapas de cores para visualização de dados com o objetivo de torná-los mais fáceis de entender.

Para percecionar cores diferentes, é preciso usar espaços euclidianos – o tipo de formas geométricas que provavelmente aprendeu na escola. Modelos mais avançados usam geometria Riemanniana.

Os cientistas descobriram que a geometria Riemanniana sobrestima muito a perceção de grandes diferenças de cores. Isso acontece porque as pessoas percecionam uma grande diferença de cor porquê sendo menor do que a soma que você obteria se somasse pequenas diferenças de cor entre dois tons.

A geometria Riemanniana não consegue explicar esse efeito.

Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

  ZAP //

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.