Estrela de neutrões invulgar descoberta num cemitério de estrelas

0
738

Daniëlle Futselaar / artsource.nl

Impressão de artista do pulsar PSR J0901-4046 (em magenta) em comparação com outras fontes com rotação mais elevada

Uma equipa internacional liderada por uma cientista da Universidade de Sydney descobriu um sinal de rádio invulgar emitido por uma estrela de neutrões que gira extremamente devagar, completando uma rotação a cada 76 segundos.

A estrela é única porque reside no “cemitério de estrelas de neutrões”, onde não se esperam pulsações.

A descoberta foi feita pela equipa MeerTRAP utilizando o radiotelescópio MeerKAT na África do Sul, e foi publicada na revista Nature Astronomy.

A estrela foi inicialmente detetada a partir de um único pulso. Foi então possível confirmar vários pulsos usando imagens consecutivas do céu com oito segundos de exposição, confirmando a sua posição.

As estrelas de neutrões são remanescentes extremamente densos de explosões de supernova de estrelas massivas. Os cientistas conhecem cerca de 3000 destas na nossa Galáxia.

No entanto, a nova descoberta é diferente de tudo o que se viu até agora. A equipa pensa que poderia pertencer à classe teorizada de magnetares de período ultralongo – estrelas com campos magnéticos extremamente fortes.

Segundo a astrónoma Manisha Caleb, líder da investigação, anteriormente da Universidade de Manchester e agora da Universidade de Sydney, é surpreendente só termos detetado emissões de rádio a partir desta fonte durante 0,5% do seu período de rotação.

“Isto significa que é uma grande sorte que o feixe de rádio se tenha cruzado com a Terra”, disse a astrónoma.

“É, portanto, provável que existam muitas mais destas estrelas de neutrões que giram muito lentamente na Galáxia, o que tem implicações importantes para a compreensão de como as estrelas de neutrões nascem e evoluem.

“A maioria dos levantamentos pulsar não procura períodos tão longos, pelo que não temos ideia de quantas destas estrelas possam existir.

A estrela de neutrões recentemente descoberta chama-se PSR J0901-4046 e parece ter pelo menos sete tipos de pulsos diferentes, alguns dos quais a intervalos regulares. Mostra características de pulsares, magnetares de período ultralongo e até FRBs (“fast radio bursts“) – flashes de emissão de rádio em locais aleatórios no céu.

“Este é o início de uma nova classe de estrelas de neutrões. Como ou se se relaciona com outras classes ainda está para ser explorado. É provável que haja muitas mais por aí. Só precisamos de olhar!” disse Caleb.

Os colaboradores da investigação incluem a equipa ThunderKat de 77 pessoas, liderada pelas Universidade da Cidade do Cabo e Oxford.

Leave a reply