Finalmente, a maior estrela alguma vez invenção pode ter uma volume estelar subordinado ao que se pensava

0
283

NASA, ESA, P.Crowther (University of Sheffield)

Aglomerado de estrelas R136 na região médio da Nebulosa da Tarântula na Grande Nuvem de Magalhães.

Embora não saibamos qual é o limite superior da volume estelar, os cálculos e a modelagem sugerem que tem de ter um.

A imensidão do Universo pode transmitir a teoria de que as estrelas não encontram limites ao seu prolongamento, no entanto, esta está errada. De negócio com as imagens mais nítidas alguma vez captadas, o limite superior das mesmas é provavelmente subordinado ao que se estimava antes.

A estrela R136a1 foi inicialmente medida em muro de 250 a 320 vezes a volume do nosso próprio Sol. A novidade estimativa coloca-o entre 150 e 230 vezes a volume do Sol. Esta novidade figura de pouco menos de 200 massas solares ainda faz da estrela um recordista de peso pesado, mas a revisão para subalterno da sua volume poderia ter implicações mais profundas.

O trabalho fez segmento de um projeto para compreender o aglomerado em que reside, chamado R136. Situa-se na Nebulosa da Tarântula, um foco de formação de estrelas numa galáxia satélite da Via Láctea chamada a Grande Nuvem de Magalhães.

Leste aglomerado contém algumas das estrelas mais maciças conhecidas; massas que agora também foram revistas para subalterno. Uma vez que estas massas são pontos críticos de ancoragem para a função de volume superior das estrelas maciças, o trabalho pode valer que os nossos limites de volume superior estelares anteriores estão errados.

“Os nossos resultados mostram-nos que a estrela mais maciça que conhecemos atualmente não é tão maciça porquê tínhamos estabelecido anteriormente”, diz o astrónomo e astrofísico Venu Kalari do Observatório Gemini. “Isto sugere que o limite superior das massas estelares também pode ser menor do que se pensava anteriormente”.

Embora não saibamos qual é o limite superior da volume estelar, os cálculos e a modelagem sugerem que tem de ter um. É aceite que num ponto publicado porquê limite Eddington a pressão externa da radiação do núcleo excede a pressão gravitacional interna, forçando o material nas camadas externas da estrela a ser ejetado.

Algumas pesquisas anteriores estabeleceram uma firmeza de 150 massas solares porquê limite de Eddington. Depois, foram adquiridos novos dados sobre as estrelas R136, com um grupo inteiro a tarar em massas significativamente mais elevadas.

Além de desafiarem o limite de Eddington, estas estrelas desafiaram também modelos de formação estelar. Pesquisas posteriores descobriram que tais modelos podem formar-se através de fusões estelares, mas ainda não temos uma boa resposta para o problema do limite de Eddington.

A fixação de um limite de volume superior fundamentado em pontos de referência precisos contribuiria em muito para resolver leste puzzle roedor. A volume estelar pode ser calculada através da obtenção de observações precisas que revelam o luz e a temperatura da estrela. Por isso, Kalari e os seus colegas começaram a obter imagens novas e mais nítidas do aglomerado em universal, e R136a1 em privado.

Isto deu à equipa as ferramentas para conceber a novidade volume de 196 massas solares (mais ou menos algumas dezenas de massas solares) para o R136a1, e 151 e 155 massas solares para duas outras grandes estrelas no aglomerado, R136a2 e R136a3 – de 195-211, e 180-181 respetivamente.

Isto tem implicações para a produção de elementos pesados no Universo. É verosímil que se saiba que as estrelas maciças acabam por ser buracos negros; elas ejetam o seu material exterior e forma-se um buraco preto a partir do núcleo estelar em colapso. Porém, existe um limite superior para isto: mais de muro de 130 massas solares, a estrela pode explodir no que é publicado porquê uma supernova de dupla instabilidade, na qual toda a estrela, núcleo e tudo, explode.

Durante estes acontecimentos incrivelmente violentos, os processos subatómicos resultam na produção de elementos pesados. Se houver menos estrelas nesta tira de volume, logo precisamos de repensar a potencial imposto que as supernovas de par-instabilidade fazem para os elementos pesados que observamos no espaço.

“A prestígio da existência ou não de supernovas de par-instabilidade não pode ser sobrevalorizada, pois somente uma supernova de par-instabilidade de uma estrela de volume de 300 solares produziria e libertaria mais metais no meio interestelar do que toda uma função de volume estelar subalterno dela, o que mudaria completamente o nosso entendimento da modelagem da evolução química galáctica”, escrevem os investigadores no seu item.

No entanto, leste resultado foi apanhado pressionando o limite do instrumento Zorro para o telescópio Gemini Sul, e os investigadores apelam à prudência na sua tradução dos resultados. O passo seguinte seria tentar validar as conclusões, talvez tomando e comparando observações de outro instrumento.

  ZAP //

Deixe um comentário