Foram desvendados os “planos de guerra secretos” do coronavírus

0
2020

CDC / Rawpixel

Desvendados os segredos do “projecto de guerra” dos coronavírus, há novas teorias para explicar porque é que, por vezes, ganham a guerra contra os sistemas imunitários humanos.

Investigadores da Trinity, que trabalharam com coronavírus durante a última dezena, acabam de desvendar novos segredos por detrás do vírus.

Segundo a Sci Tech Daily, os cientistas, liderados por Nigel Stevenson, professor assistente de Imunologia Viral na Trinity, descobriram uma vez que é que as proteínas SARS e MERS bloqueiam a indução de proteínas antivirais, o que nos impede de montar uma resposta possante imunitária contra as infeções.

A SARS e a MERS surgiram em 2002 e 2012, respetivamente. Ambas tiveram taxas de mortalidade mais elevadas do que a covid-19 — tapume de 10% e 40%, respetivamente — mas ambas infetaram muito menos pessoas — tapume de 10.000 e 3.000, respetivamente.

Embora diferentes, estes dois coronavírus têm muitas semelhanças com a covid-19 (SARS CoV-2). Assim a elaboração dos seus “planos de guerra” permite aos investigadores compreenderam melhor o novo coronavírus.

A equipa de investigação descobriu que os vírus SARS e MERS têm proteínas que interferem com a via antiviral do Interferon, que — em circunstâncias normais — ativa uma cascata de respostas em células humanas, para produzir centenas de proteínas antivirais que bloqueiam a replicação viral.

Nigel Stevenson, superintendente do departamento de imunologia viral na Escola de Bioquímica e Imunologia e responsável sénior do estudo, explica uma vez que funciona:

“Ao longo do tempo, os humanos evoluíram para combater as infeções virais, produzindo moléculas chamadas Interferons. Quando um vírus é encontrado, são produzidos Interferões, o que, por sua vez, ativa uma via antiviral nas nossas células, que está no núcleo da nossa resposta imune imediata. A via produz proteínas específicas que ligam centenas dos nossos genes antivirais. Estes genes produzem portanto muitas proteínas antivirais diferentes que atacam e, na maioria dos casos, matam o vírus. Ao fazê-lo, os interferões ‘interferem’ com o ciclo de vida de um vírus”.

No entanto, relata Stevenson, “os vírus também evoluíram ao longo do tempo para suprimir e evitar as respostas do nosso sistema imunitário. E a nossa investigação visa compreender uma vez que os vírus reprimem a resposta aos Interferões”.

O novo estudo, publicado em fevereiro no MDPI, “descobriu que o SARS e o MERS impedem que as proteínas chave sejam ativadas e entrem no núcleo das nossas células. O núcleo é onde o nosso ADN é armazenado e onde os genes são ativados, para gerar uma resposta imunológica adequada”.

“A esperança é que se conseguirmos conceber novos medicamentos para inibir a capacidade dos coronavírus para suprimir a via de Interferon, devemos ser capazes de tratar as pessoas de forma muito mais eficiente. E dada a semelhança entre os coronavírus e os seus modos de ação, um medicamento seria provavelmente eficiente contra todos os coronavírus mortais”, prossegue o investigador.

“Se pudéssemos restaurar a capacidade proveniente dos nossos sistemas imunitários de combater a infeção viral e prevenir a replicação, poderíamos tratar as pessoas infetadas com um sucesso muito maior. Ou por outra, se pudéssemos desenvolver uma medicação que impedisse os vírus de destruir a via de Interferon, ela abriria em teoria a porta para lutar diretamente o vírus“, conclui Stevenson.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe um comentário