Gatos são uma “espécie invasiva forasteiro” que ameaço biodiversidade, diz instituto científico polaco

0
329

Marie Lemaistre / Pexels

Um instituto científico polaco classificou os gatos domésticos uma vez que uma “espécie invasiva forasteiro”, citando o dano que causam aos pássaros e outros animais selvagens.

A reação de alguns apreciadores de gatos colocou o principal responsável do estudo na defensiva.

Wojciech Solarz, um biólogo na estatal Ateneu de Ciências da Polónia, não estava prestes para as críticas públicas que se seguiram à sua decisão de incluir o ‘Felis catus’, o nome científico do gato doméstico, na base pátrio gerida pelo Instituto da Conservação da Natureza, da Ateneu.

A base de dados já tem 1786 outras espécies listadas sem objeções, disse na terça-feira Solarz à Associated Press.

Mas a ‘espécie invasiva forasteiro’ número 1787, porém, corresponde a uma pessoa tão namorada que é frequente ser honrada nos cemitérios que existem na Polónia reservados a cães e gatos.

Solarz referiu o que disse ser o crescente consenso científico sobre o impacto negativo que os gatos domésticos têm na biodiversidade, oferecido o número de pássaros e mamíferos que caçam e matam.

O critério de inclusão do gato na categoria de espécie invasiva forasteiro “é cumprido a 100% pelo gato”, disse.

Uma troca de argumentos na televisão independente TVN, o biólogo discutiu com um veterinário que desafiou a epílogo de Solarz sobre os perigos que os gatos representam para a vida selvagem.

Dorota Suminska, responsável de um livro intitulado “The Happy Cat” (“O Gato Feliz”), apontou outras causas da redução da biodiversidade, incluindo a poluição ambiental e fachadas dos edifícios urbanos que podem matar os pássaros quando voam.

“Pergunte-se se o Varão está na lista das espécies invasivas alienígenas”, disse Suminska, argumentando que aos gatos é atribuída injustificadamente muita culpa.

Solarz disse à AP que algumas notícias na informação social criaram uma falsa sentimento que o Instituto estava a tutorar que os gatos deveriam ser eutanasiados.

No início deste mês, o seu Instituto publicou um texto no seu sítio na internet, citando a “controvérsia” e procurando clarificar a sua posição. O Instituto realçou que “se opunha a qualquer crueldade para com os animais” e argumentou que a sua classificação estava de concórdia com as orientações da União Europeia.

Quanto à categorização do gato uma vez que forasteiro, o Instituto apontou que o ‘Felis catus’ foi domesticado há muro de dez milénio anos no início das grandes civilizações do macróbio Médio Oriente, o que torna a espécie estranha à Europa de um ponto de vista estritamente científico.

O Instituto sublinhou ainda que tudo o que recomendava era que os donos dos gatos limitassem o tempo que os seus animais passam fora de morada durante a estação de reprodução.

“Tenho um cão, mas não tenho zero contra gatos”, asseverou Solarz.

Deixe um comentário