há mais de 70 ciências (algumas quase desconhecidas)

0
3825

Anna Shvets / Pexels

24 de Novembro é assinalado também em Portugal, com programas de espeque a cientistas que foram pais ou sem bolsas.

Uma vez que há dia mundial de quase tudo, também haveria certamente o Dia Mundial da Ciência.

Assinala-se hoje, 24 de Novembro, numa iniciativa promovida pela UNESCO, para ressaltar o papel da Ciência para o desenvolvimento humano, entre outros objectivos.

Portugal assinala a data com a apresentação de programas de espeque a cientistas que foram pais ou sem bolsas do Recomendação Europeu de Investigação, em seguida a passagem à temporada final de candidaturas. O primeiro-ministro António Costa é um dos presentes.

O ZAP assinala a data com a lista de muitos dos ramos da Ciência. Uma lista sempre discutível porque nem todos concordam se esta ou aquela é uma ciência.

Diz-se que Ernest Rutherford disse que a Ciência resume-se a Física e a repertório de selos – e terá dito isto enquanto recebia o Prémio Nobel…da Química.

Com ou sem polémica, há mais de 70 ramos. E a lista que se segue, com ajuda da enciclopédia Knoow, nem vai estar completa. Ou pode ter palaras a mais? Depende da perspeciva.

Acreditamos que a maioria é conhecida por todos os leitores: Matemática, Física, Química, Meteorologia ou Ecologia (tão comentada por estes dias).

Não vamos explicar outras “básicas” porquê Antropologia, Arquelogia, Astromância, Demografia, Geografia ou Psicologia.

Também dispensamos detalhes sobre Anatomia, Biologia, Fitologia e Cosmologia.

Mas podemos, por exemplo, centra-nos na Carpologia, derivado da Fitologia que estuda e trata dos frutos.

A Insectologia estuda insectos, a Escatologia analisa os fins últimos do varão e da humanidade, a Filologia estuda textos.

Ictiologia: sabe o que é? O nome não é parecido mas estuda os peixes. A Micetologia centra-se em fungos e cogumelos, enquanto a Polemologia estuda a génese e a evolução das guerras.

Já a Vexilologia centra-se no estudo das bandeiras e da simbologia das bandeiras.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe um comentário