Há tartarugas recém-nascido que nunca chegam ao mar. Esta teoria pode salvar-lhes a vida

0
7052

Kanenori / Wikimedia

As tartarugas marinhas passam as suas vidas no oceano, excepto quando as fêmeas vêm a terreno algumas vezes todos os verões para pôr os seus ovos.

Enquanto brincava com os seus filhos na praia da Ilhota de Hatteras, na costa da Carolina do Setentrião, Erin Clabough reparou numa zona protegida pelos serviços ambientais da região, questionando um varão que por ali passava se não seria interessante saber quando as tartarugas recém-nascido que por ali habitam saem dos seus ninhos. Ao que lhe foi respondido: “Estamos a tratar do objecto“.

A conversa gerou uma parceria para desenvolver o TurtleSense, uma forma inovadora e barata de monitorizar remotamente a atividade dos ninhos de tartarugas. Num estudo recentemente publicado, o seu funcionamento é descrito ao pormenor.

Nele participaram Eric Kaplan, o varão que Erin conheceu na praia e o fundador do Hatteras Island Ocean Center; David Hermeyer e Samuel Wantman, engenheiros reformados no Nerds Without Borders; Thomas Zimmerman, inventor da IBM; e Joshua Chamberlin, estudante de veterinária.

Porquê neurocientista de desenvolvimento, Erin esforçou-se por compreender porquê as tartarugas bebés podiam usar o movimento ou as vibrações para coordenar a atividade dos ninhos. Os seres humanos podem proteger melhor as crias de tartarugas marinhas à medida que vão da praia para o mar, se souberem exatamente quando as tartarugas recém-nascido vão comparecer. Mas a previsão de última hora tem sido difícil.

Porquê tal, a equipa descobriu que ao colocar um simples sensor embuçado de ovo de tartaruga no ninho, pudemos detectar atividade no ninho que indicava quando as tartarugas bebés iriam surdir da areia e mover-se, em grupo, em direção à chuva.

As tartarugas marinhas passam as suas vidas no oceano, excepto quando as fêmeas vêm a terreno algumas vezes todos os verões para pôr os seus ovos. Quando põem os seus ovos e os enterram na areia, regressam à chuva.

Os ovos incubam sob a areia durante várias semanas. Depois as crias eclodem para fora da areia, geralmente porquê um grupo de irmãos grande e mexem-se em direção à superfície, sendo esta viagem um momento altamente vulnerável na vida de uma tartaruga marinha.

As crias devem evitar os detritos da praia, assim porquê as aves e os caranguejos à espera de os lutar. É ainda de considerar o risco de ficarem desorientadas devido à poluição luminosa das casas de praia e dos hotéis e não conseguem chegar à chuva, morrendo de desidratação na areia.

Todas as seis espécies de tartarugas marinhas encontradas nos EUA estão protegidas ao abrigo do Endangered Species Act, pelo que as comunidades de praia são obrigadas a testificar que as tartarugas recém-nascido recebam proteção adequada – inclusive na sua viagem para a chuva.

Os cientistas normalmente adivinham as datas com base na quantidade de tempo que passou desde que o ninho foi posto. Se o ninho estiver numa extensão povoada, os voluntários podem monitorizá-lo desde o anoitecer até à meia-noite, durante a janela, quando os recém-nascidos podem surdir. Mas isto pode insistir até duas semanas, o que requer muitas horas de voluntariado.

O monitor TurtleSense foi testado durante as épocas de nidificação de 2013 a 2018 no Cape Hatteras National Seashore da Carolina do Setentrião, perto do ponto mais setentrional onde as tartarugas marinhas depositam os seus ovos na costa oriental dos EUA.

As praias de Hatteras têm um potente uso recreativo, incluindo veículos todo-o-terreno em certas zonas, sendo que os os pescadores também as utilizam. O fecho destes territórios para proteger os ninhos de tartarugas levou a conflitos sobre o estabilidade de interesses concorrentes. O objetivo da equipa era encontrar uma forma de proteger as tartarugas, ao mesmo tempo que permitia outras utilizações válidas da praia.

Para monitorizar os ovos, a equipa utilizou um acelerómetro – um dispositivo que mede as vibrações num sistema e a rapidez com que estas mudam. O acelerómetro foi ligado a um microprocessador numa placa de rotação muito pequena, que, por sua vez, estava marchetado numa globo de plástico do tamanho de um ovo de tartaruga – mais ou menos do tamanho de uma globo de pingue-pongue.

A equipa enterrou o monitor em 74 ninhos de tartarugas nas manhãs depois os ninhos terem sido postos, por reles dos 10 ovos superiores. Um cabo ligou o sensor a uma pequena torre de informação a quatro metros dos ninhos. A torre transmitia dados de movimento às torres de telemóveis, permitindo aos investigadores monitorizar remotamente a atividade nos ninhos.

Uma vez que as tartarugas recém-nascido eclodem debaixo da areia, os cientistas acreditam que podem usar tacos de temperatura para cronometrar o seu emergência à noite, quando é mais seguro para elas correrem para o mar. Todavia, as pesquisas mais recentes indicam que as vibrações ou movimentos podem desempenhar um papel importante na informação entre irmãos tartarugas marinhas e no momento da sua emergência, mesmo que não compreendamos completamente porquê isso acontece.

As tartarugas marinhas podem sincronizar a atividade dos ninhos de uma forma comparável à do milho a rebentar em óleo a ferver. Quando os grãos de pipocas são aquecidos uniformemente, todas começam a rebentar mais ou menos ao mesmo tempo, mas não completamente em simultâneo.

Da mesma forma, num ninho de tartarugas marinhas, quando a temperatura está correta e a atividade de movimento cessa, acreditamos que nascente acalmar final pode sinalizar às tartarugas recém-nascido que todos os seus irmãos eclodiram e que está na profundeza de deixar o ninho.

Os cientistas documentaram outras espécies usando tacos vibracionais de irmãos para coordenar a atividade de eclosão, incluindo rãs de árvores e tartarugas terrestres. Mas é mais difícil detectar nascente tipo de informação potencial em ovos de tartaruga marinha enterrados.

A equipa utilizou dados do TurtleSense para desenvolver um método para prever quando um ninho de tartarugas recém-nascido tentará fazer a passeio até ao oceano. Os dados do monitor permitiram detectar a atividade de incubação nos ninhos e observar que as tartarugas eclodem em ondas, silenciando e depois movendo-se juntas, aparentemente em sincronia.

Uma vez iniciada a eclosão, estimamos que as tartarugas eclodirão do ninho em média 3,7 dias depois. Uma vez terminada a eclosão, podemos rever esta data de previsão, estreitando a janela.

As tartarugas nos ninhos profundos sairão normalmente duas noites depois a eclosão estar completa. As crias em ninhos mais rasos podem surdir uma noite depois de terminada a eclosão. O sistema também pode detectar ninhos inférteis, que mostrarão uma falta de atividade de eclosão. Saber que um ninho é infértil permite que os monitores se concentrem noutro lugar.

Deixe um comentário