Homens têm mais paladar do que as mulheres em seguida exposição solar

0
1678

Geoff LMV / Flickr

Uma pesquisa da Universidade de Tel Aviv, em Israel, revelou que a exposição ao sol motivo mais lazeira aos homens do que às mulheres.

No estudo, publicado recentemente na Nature Metabolism, os investigadores concluíram que a exposição solar no género masculino – tanto em animais uma vez que em humanos – desencadeia a proteína p53, responsável por reparar danos que possam ter sido causados à pele em resultado dessa exposição.

A grelina, também conhecida uma vez que o “hormona da lazeira”, é produzida pelo organização em resposta à ativação da p53. Nas fêmeas, a hormona estrogénio impede a interação da p53 com a grelina, inibindo a vontade de consumir em seguida a exposição ao sol.

Para a realização do estudo a equipa recorreu a relatos sobre os hábitos alimentares e a exposição ao sol de 3.000 israelitas, recolhidos ao longo de um ano. Estes foram combinados com os resultados de um estudo genético. As conclusões mostraram que a pele é um regulador chave da vontade e do paladar – ou seja, do metabolismo.

De contrato com a equipa, existe uma diferença metabólica significativa entre homens e mulheres, com impacto tanto na saúde uma vez que no comportamento.

“Examinámos as diferenças entre homens e mulheres em seguida a exposição solar e descobrimos que os homens comem mais do que as mulheres porque o seu paladar aumentou”, explicou o investigador Carmit Levy, que juntamente com Shivang Parikh, lidera o estudo.

Através desta investigação – que o técnico indica ser pioneira – foi “decifrada pela primeira vez a relação molecular entre a exposição ultra-violeta e o paladar”.

“Os estudos médicos dependentes do género são particularmente complexos, uma vez que é necessário o duplo do número de participantes para encontrar diferenças estatisticamente significativas”, indicou.

“Porquê humanos, a nossa pele, o maior órgão do nosso corpo, está exposta a sinais do envolvente. A proteína p53, encontrada na pele, repara danos no ADN causados pela exposição solar, mas faz mais do que isso”, apontou, acrescentando: dá indicações ao corpo, por exemplo, de “que o inverno acabou”.

Segundo o técnico, “os resultados fornecem uma base para mais investigação, tanto sobre o metabolismo humano uma vez que sobre potenciais terapias baseadas na radiação ultra-violeta para doenças metabólicas e perturbações do paladar”.

  ZAP //

Deixe um comentário