“impressões digitais cósmicas” de duas estrelas gigantes

0
4159

NASA / ESA / CSA, STScI / JPL-Caltech

Imagem do James Webb que mostra os anéis de poeira, semelhantes a uma sentimento do dedo.

O sistema binário Wolf-Rayet 140 gerou um conjunto de 17 anéis de pó concêntrico, a milhares de anos-luz, e o James Webb obteve uma imagem.

Os astrónomos conseguiram uma imagem marcante de 17 anéis de pó concêntricos que se assemelham a uma “sentimento do dedo cósmica”, nas últimas observações do telescópio espacial James Webb, relata a NASA.

A formação foi criada pela interação de duas estrelas gigantes, conhecidas porquê o binário Wolf-Rayet 140 (WR140), a mais de 5.000 anos-luz da Terreno.

Os anéis são criados a cada oito anos, quando as estrelas passam próximas uma da outra, na sua trajectória alongada. Durante a aproximação, os ventos solares das estrelas colidem, fazendo com que o fluxo de gás das estrelas seja comprimido em pó.

“Uma vez que um relógio, o WR140 sopra um argola de fumo esculpido de oito em oito anos, que depois é insuflado no vento estelar porquê um balão”, explica Peter Tuthill, do Instituto de Astronomia de Sydney da Universidade de Sydney.

“Oito anos depois, quando o binário regressa à sua trajectória, surge outro argola, o mesmo que o anterior, que corre para o espaço dentro da bolha do anterior, porquê um conjunto de bonecas russas gigantescas“, acrescenta, citado pelo The Guardian.

A estrutura de 17 anéis foi gerada ao longo de murado de 130 anos e abrange uma região de espaço maior do que o nosso próprio sistema solar.

O binário WR140 é constituído por uma enorme estrela Wolf-Rayet e uma supergiante azul ainda maior. Uma Wolf-Rayet nasce com pelo menos 25 vezes mais tamanho do que o nosso Sol e é uma estrela que se aproxima do término do seu ciclo de vida.

Mais quente que na sua juventude, uma estrela Wolf-Rayet gera ventos poderosos que empurram enormes quantidades de gás para o espaço — pensa-se que a que está neste binário tenha perdido pelo menos metade da sua tamanho original já.

À medida que o carbono e elementos pesados são soprados para o espaço, são comprimidos no limite onde os ventos de ambas as estrelas se encontram.

“O vento da outra estrela varre o gás e já se tem material suficiente para condensar em pó”, realça Olivia Jones, do UK Astronomy Technology Centre, e co-autora do estudo publicado hoje, a 12 de outubro, na Nature Astronomy.

“Esta não só é uma imagem espetacular porquê oriente vasqueiro maravilha revela novas provas sobre a poeira cósmica e porquê pode sobreviver nos ambientes espaciais mais complicados”, acrescenta Jones.

A astrónoma admite que estas observações podem fornecer novos conhecimentos sobre a forma porquê a primeira geração de estrelas semeou o seu envolvente com poeira e gás, que depois levou às gerações seguintes do universo primitivo.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe um comentário