Invenção surpreendente sobre partícula pode revolucionar leis da Física

0
2738

Fermilab

Um novo operação da volume da partícula W boson difere tanto das previsões do Padrão Padrão que pode pôr em justificação leste pilar do estudo da Física.

Depois de uma estudo de mais de uma dezena, uma novidade investigação publicada na Science relata uma conquista que pode revolucionar o estudo da Física, com os cientistas a conseguirem fazer a mensuração mais precisa de sempre da volume de uma partícula-chave.

A novidade medida difere drasticamente das previsões feitas com base no Padrão Padrão, relata a New Atlas. Desde o seu desenvolvimento na dezena de 70, o Padrão Padrão tem sido muito bem-sucedido na explicação das forças e das interações entre as partículas.

Mas agora, uma partícula está a ameaçar desafiar leste protótipo que até agora tem sido tão preciso. A volume das partículas pode ser calculada através das suas relações com outras partículas no Padrão Padrão, podendo estas estimativas ser depois comparadas e comprovadas com as medidas dos colisores de partículas.

Uma única partícula, a W boson, foi suficiente para pôr todo o protótipo em justificação, já que as medidas tiradas com um colisor diferem bastante das estimativas obtidas através do Padrão Padrão.

De conformidade com o Padrão Padrão, a volume da W boson pode ser calculada devido às ligações com as massas da bóson de Higgs e a uma partícula subatómica chamada quark top.

No novo estudo, uma equipa de quase 400 cientistas do Detector de Colisor no Fermilab passou quase 10 anos a examinar 4.2 milhões de candidatos W boson recolhidos dos dados com 26 anos no colisor Tevatron. Os autores conseguiram assim calcular a volume da partícula com uma precisão duas vezes maior do que a  melhor medida anteriormente tirada.

Os cálculos revelam que a W boson tem uma volume de 80 433.5 Mega-elétron-volts (MeV), com uma margem de incerteza de só 9.4 MeV para cada lado. Levante valor está dentro do alcance previsto em medidas anteriores, mas fica muito longe do previsto pelo Padrão Padrão, que coloca a volume nos 80,357 MeV, com uma margem de 6 MeV.

Mesmo assim, alguns físicos continuam a crer mais nas previsões do Padrão Padrão e a mostrar possíveis erros ou exageros nos valores do estudo.

Os investigadores refutam esta teoria, sublinham que verificaram imensas vezes os valores e os cálculos e que tiveram em conta “o entendimento melhorado do detetor de partículas e dos avanços na compreensão teórica e prática das interações da W boson com outras partículas”, nota Ashutosh Kotwal, responsável principal do estudo.

  ZAP //

Deixe um comentário