Levante centenário palácio real em Málaga está a ver as suas paredes de ouro ficarem roxas

0
4643

O ouro é um dos metais menos reativos, pelo que deve resistir ao teste do tempo, mas também à luz solar, humidade, poluição atmosférica e temperaturas de cozedura.

Construído pelos últimos governantes muçulmanos, o Alhambra, é um palácio real abrilhanta a cidade de Granada durante 800 anos. Ao longo do dia as suas cores parecem mudar, destacando-se porquê um farol laranja sob o sol do meio-dia antes de dar lugar a tons vermelho-rosados na luz do ocaso. No seu interno, o palácio também tem vindo a mudar lentamente de cor. Depois de séculos de intempéries naturais, partes dos flancos dourados do palácio e paredes ornamentadas e caiadas de branco estão a permanecer roxos e baços.

“A sua origem permaneceu desconhecida até agora”, escreve a mineralogista Carolina Cardell da Universidade de Granada e a perito em microscopia Isabel Guerra no seu cláusula publicado, que descreve porquê os avanços tecnológicos tornaram verosímil para a dupla ‘esbrugar’ as camadas das paredes envelhecidas da Alhambra.

O ouro é um dos metais menos reativos, pelo que deve resistir ao teste do tempo, mas também à luz solar, humidade, poluição atmosférica e temperaturas de cozedura, e é por isso que é um material tão considerado para o fabrico de jóias, moedas, e mais recentemente, dispositivos eletrónicos — tudo coisas que se pretendem que durem.

Macio e maleável, o ouro foi também utilizado para decorar palácios, ornamentos, armas e armaduras, e obras de arte. No caso do Alhambra, folha de ouro fino sobreposta em folhas de estanho maleável decoravam originalmente as paredes do palácio. Mas com o tempo, as superfícies adquiriram uma cor púrpura estranha, e foram prontamente cobertas com revestimento de gesso branco no século XIX.

A transformação do cintilação quente do ouro em púrpura pisoteada é um truque da química famoso desde os tempos antigos. Tipicamente induzido por uma mistura de ácido nítrico e ácido clorídrico conhecida porquê cloridrato de ácido nítrico, ou aquia regia, os alquimistas romanos utilizavam a técnica para pintalgar o vidro já no século IV. A reação aqua regia dissolve o ouro em pequenas partículas, as quais — porquê o inventor e investigador Michael Faraday sugeriu em 1856 — espalham a luz em centenas de rubis, púrpura e azul.

Mas, até à data, não foram detetados sinais de cloridrato de ácido nítrico nas paredes da Alhambra. Sem aqua regia na mistura, um processo químico dissemelhante tinha de estar a gerar a mudança de tonalidade dentro da Alhambra.

Cardell e Guerra propuseram-se investigar, utilizando um microscópio eletrónico de varrimento equipado com um conjunto de espectrómetros para revelar a elaboração química das características douradas da Alhambra, até à graduação nanométrica. Depois de estudarem as paredes seculares da Alhambra e de modelarem o envelhecimento químico que provavelmente se seguiu, os investigadores encontraram uma “combinação inesperada de processos electroquímicos” que poderia ter escurecido as superfícies danificadas.

Cardell e Guerra encontraram vazios e fissuras em forma de cratera na folha de ouro, canais através dos quais a humidade podia atingir a folha de estanho subjacente e corroí-la, quando as paredes estavam livres de sujidade.

Mas, onde as paredes estavam cobertas de grime, o ouro tinha corroído. Sem dos seus electrões, o ouro degradou-se gradualmente e formou espontaneamente nanopartículas de ouro com tapume de 70 nanómetros de diâmetro que, dizem Cardell e Guerra, têm o tamanho perceptível para espalhar uma propagação de ondas de luz que o fazem parecer púrpura. No entanto, nem todos estão convencidos de que leste processo de corrosão tenha produzido a mudança de cor.

Replicar cinco séculos de intempéries em experiências de laboratório seria, no entanto, uma grande ordem, e não produziria necessariamente resultados muito informativos, argumentam Cardell e Guerra.

“A nossa investigação é feita num estudo de caso real de mais de cinco séculos de envelhecimento em condições naturais, limitando a nossa capacidade de elucidar o protótipo exato de corrosão“, escreve a dupla.

Suspeitam também que a presença de nanopartículas de ouro e a deterioração de dourados bimetálicos são provavelmente mais generalizadas do que os especialistas em património arquitectónico notaram, porque poucas superfícies seriam cobertas com uma estrato esbranquiçada porquê o eram os salões dourados da Alhambra.

“Espera-se que os resultados cá apresentados ajudem os peritos de objectos dourados antigos com a informação relevante sobre métodos e materiais de mediação, muito porquê sobre a prevenção da corrosão”, Cardell e Guerra concluíram.

  ZAP //

Deixe um comentário