Livro reúne investigações sobre dinâmica do capitalismo na

0
5084

Para além de debates ideológicos, o protótipo de desenvolvimento agropecuário fundamentado na concentração fundiária e na monocultura tem se provado cada vez nocivo à sociobiodiversidade. 

No Brasil, os efeitos são evidentes e vão desde a ruinoso dos recursos naturais até o aprofundamento da desigualdade social, passando pela agressão neocolonial contra povos tradicionais.

O livro “Desastres sócio-sanitário-ambientais do agronegócio e resistências agroecológicas no Brasil” ajuda a compreender o tema a partir do sistema numulário vernáculo e internacional, com enfoque nos impactos negativos do agronegócio analisados a partir da reunião de 23 artigos. 

:: “O Agro não é pop”: estudo aponta que a rafa é resultado do agronegócio ::

Os estudos foram elaborados pelo Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (Neast) da Universidade Federalista de Mato Grosso (UFMT), pelos docentes e discentes do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) da UFMT e por entidades, pesquisadores e comunidades externas à universidade.

O prefácio, assinado por Brian Garvey, pesquisador da Universidade de Stratchclyde, em Glasgow na Escócia, antecipa “conexões importantes são iluminadas cá: entre dano ecológico e trabalho análogo ao servo; expansão insaciável de commodities agrícolas e problemas de saúde; a apropriação de terras e o empobrecimento; luta social e novas possibilidades de produção de provisões; o leitor e o mundo ao seu volta”.


Revestimento da publicação lançada pela editora Sentença Popular / Reprodução

A obra amplia o olhar crítico sobre a enxovia produtiva do agronegócio e seus impactos negativos. Aprofunda-se, também, no papel do Estado brasílico, que privilegia os latifundiários, atuando em colaboração técnica e política com o setor. 

Lançado pela editora Sentença Popular, o livro é organizado por Wanderlei Antonio Pignati, Marcia Leopoldina Montanari Corrêa, Luís Henrique Da Costa Leão, Marta Gislene Pignatti e Jorge Mesquita Huet Machado.

:: Sentença Popular: uma editora construída pelos movimentos sociais ::

Na publicação, o quadro agrário é entendido à luz método histórico-dialético. A metodologia, desenvolvida por Karl Marx e Friedrich Engels, mostra-se uma instrumento necessária para se compreender as raízes mais profundas da tragédia brasileira patrocinada pelo agronegócio. 

“Esperamos que os estudos apresentados neste livro possam facilitar os movimentos de resistência à colonização do “mundo da vida” pelo poder do capital e que as organizações populares e sindicais de trabalhadores(as) possam interferir radicalmente nos rumos deste país sem rumo”, escrevem os organizadores na apresentação da obra.

Edição: Rebeca Cavalcante

Nascente: Brasil de Indumento

Deixe um comentário