Lobos podem mostrar apego ao ser humano

0
5346

Quando se trata de mostrar afeto com as pessoas, os cães estão na primeira fileira para dar carinho aos seus donos. Agora, um novo estudo relata que a notável capacidade de mostrar comportamento apegado a cuidadores humanos também existe em lobos.

Sabe-se que os cães são descendentes dos lobos, apesar de serem espécies bastante distintas.

Agora um estudo publicado oriente mês na Ecologia e Evolução mostra que estes animais selvagens têm capacidade de mostrar afeto.

De harmonia com a PhysOrg, os resultados foram obtidos quando investigadores da Universidade de Estocolmo, Suécia, submeteram 10 lobos e 12 cães a um teste comportamental especificamente concebido para quantificar os comportamentos de apego em canídeos.

Durante oriente teste, os lobos com 23 semanas de idade distinguiram espontaneamente entre uma pessoa familiar e um estranho, tal porquê os cães, e mostraram uma maior proximidade na procura e comportamentos afiliados em relação à pessoa familiar. Para ou por outra, a presença da pessoa familiar agiu porquê um amortecedor de stress social para os lobos, acalmando-os numa situação mais agitada.

Estas descobertas assentam num corpo de provas que lentamente se vão acumulando e contradizem a hipótese de que as capacidades necessárias para formar laços com os humanos, só surgiram em cães depois de os humanos os terem domesticado há pelo menos 15.000 anos.

“Sentimos que havia urgência de testar isto exaustivamente”, diz a Dra. Christina Hansen Wheat, doutorada em Etologia pela Universidade de Estocolmo, Suécia.

“Juntamente com estudos anteriores que deram contribuições importantes para esta questão, penso que é agora cevar entreter a teoria de que se existe variação no comportamento de apego dirigido pelo varão em lobos, oriente comportamento poderia ter sido um cândido potencial para as pressões seletivas exercidas durante a domesticação de cães”.

Hansen Wheat está interessada em compreender porquê a domesticação afeta o comportamento. Para estudar isto, a equipa criou filhotes de lobos e cães a partir dos 10 dias de idade e submeteram-nos a vários testes comportamentais.

Num desses testes, uma pessoa conhecida e um ignoto entram e saem de uma sala de testes para fabricar uma situação alguma coisa estranha e de stress para o bicho. A teoria por detrás do teste, originalmente desenvolvido para calcular apego em bebés humanos, é que ao fabricar oriente envolvente instável, os comportamentos de apego (tais porquê a procura de proximidade) serão estimulados.

Em origem, o que os investigadores procuravam neste teste onde criaram uma situação estranha, era que os lobos e os cães pudessem discriminar entre a pessoa familiar e o estranho.

Ou seja, se mostravam mais afeto, e passavam mais tempo a cumprimentar e em contacto físico com a pessoa familiar do que com o ignoto. Se os lobos e os cães o fizessem também, isso apontaria no sentido de esta capacidade não ser exclusiva dos cães, ou seja, não evoluiu especificamente nos cães.

“Foi exatamente isso que vimos”, diz a Dra. Christina. “Era muito simples que os lobos, porquê os cães, preferiam a pessoa familiar ao estranho. Mas o que foi talvez ainda mais interessante foi que enquanto os cães não foram particularmente afetados pela situação de teste, os lobos foram. Estavam a rodear na sala de testes”.

“No entanto, o notável foi que quando a pessoa familiar, um avaliador que tinha estado com os lobos toda a vida, voltou a entrar na sala de testes, o comportamento de estimulação parou, indicando que a pessoa familiar agiu porquê um amortecedor de stress social para os lobos. Não acredito que isto alguma vez tenha sido demonstrado antes para os lobos e isto também complementa a existência de uma poderoso relação entre os animais e a pessoa familiar”.

A Dra. Hansen Wheat acrescenta que as semelhanças entre cães e lobos podem dizer-nos alguma coisa sobre de onde vem o comportamento que vemos nos nossos cães. E, embora possa ser uma surpresa para alguns que os lobos se possam vincular a uma pessoa desta forma, ela diz em retrospetiva que também faz sentido.

“Os lobos que mostram apego dirigido pelo varão poderiam ter tido uma vantagem seletiva nas fases iniciais da domesticação de cães”, acrescentou.

A Dra. Hansen Wheat continuará agora a trabalhar com os dados que recolheu juntamente com a sua equipa ao longo de três anos de geração à mão de lobos e cães em condições idênticas para aprender ainda mais sobre as suas diferenças e semelhanças comportamentais.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe um comentário