O comportamento irreverente do Sol tem vertiginoso a queda dos satélites

0
565

Desde o último outono, o Sol, a grande estrela geradora de vida, tem vindo a executar o seu papel, gerando cada vez mais vento solar, manchas solares, erupções solares e ejecções de volume coronal.

É um facto sabido que os satélites que orbitam perto da Terreno estão sujeitos a um maravilha de arrastamento da atmosfera residual, o qual, por exemplo, abranda gradualmente qualquer corpo e acaba por fazê-lo retornar ao planeta.

No entanto, ao longo dos últimos anos, uma estranha dinâmica que pode ser atribuído às oscilações de humor do Sol tem feito com que os satélites caiam das órbitas em valores cada vez mais alarmantes,

Segundo o Space.com, esta série de acontecimentos coincidiu com o início do novo ciclo solar e resultou na queda de satélites a um ritmo até dez vezes mais superior do que antes, um aumento significativo, aponta o Interesting Engineering.

“Nos últimos cinco, seis anos, os satélites caíram tapume de dois quilómetros e meio por ano”, disse Anja Stromme, gestora da missão Swarm da ESA. “Mas desde Dezembro do ano pretérito, eles têm estado praticamente a reprofundar. A taxa de entre dezembro e abril tem sido de 20 quilómetros por ano”.

Desde o último outono, o Sol, a grande estrela geradora de vida, tem vindo a executar o seu papel, gerando cada vez mais vento solar, manchas solares, erupções solares e ejecções de volume coronal que têm tido um impacto significativo na atmosfera superior da Terreno. Tudo isto é o resultado de a estrela ter terminado um ciclo solar de 11 anos.

Ainda assim, por mais oriundo que oriente processo seja, resulta em desordem para os nossos satélites. “Há tanta física complexa que ainda não compreendemos totalmente o que se passa nas camadas superiores da atmosfera, onde interage com o vento solar”, disse Stromme. “Sabemos que esta interação provoca um afloramento da atmosfera. Isso significa que o ar mais denso se desloca para cima, para altitudes mais elevadas”.

O ar mais denso resulta sempre num maior arrastamento para os satélites que podem enviar algumas das naves espaciais de baixa orbitação para o seu eventual desaparecimento. “É quase porquê decurso com o vento contra si“, disse Stromme. “É mais difícil, é arrasto – por isso abranda os satélites, e quando abrandam, afundam-se”.

O investigador acrescentou que esta situação irá certamente afetar todas as naves espaciais localizadas a 250 milhas de altitude. Isto significa que até a Estação Espacial Internacional terá de efetuar manobras de reinício mais frequentes para se manter em trajectória. Mas e os satélites comuns, que não podem adotar tais processos?

“Muitos destes [novos satélites] não têm sistemas de propulsão”, aponta Stromme. “Eles não têm meios. Isso significa basicamente que terão uma vida útil mais curta em trajectória. Voltarão a entrar mais cedo do que o fariam durante o mínimo solar“.

Uma coisa boa, porém, que sairá desta situação é que o lixo espacial será provavelmente eliminado. Ao longo de 70 anos, os seres humanos têm lançado coisas para o espaço, dando origem ao problema do lixo espacial que precisa desesperadamente de ser removido.

  ZAP //

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.