O moca está em risco, mas uma vegetal “perdida” pode ser a solução

0
4127

grafvision / Flickr

Uma vegetal redescoberta na Serra Leoa pode ajudar a salvar a produção de moca, que se encontra ameaçada pelas alterações climáticas.

O mundo pode perder metade das suas melhores terras de cultivo de moca num cenário moderado de alterações climáticas. A bebida favorita — e quase indispensável — de muitas pessoas está em risco. Há uma luz ao fundo do túnel, porém. Uma vegetal “perdida” pode ser a solução.

Na Serra Leoa, Jeremy Haggar, investigador da Universidade de Greenwich, no Reino Uno, acredita ter revelado aquilo que considera ser o horizonte do moca.

Conhecida pelos cientistas porquê Coffea stenophylla, a vegetal encontrada por Haggar já foi cultivada para produção mercantil, mas desapareceu na maior secção do século pretérito.

Ao contrário dos grãos de moca, tolera temperaturas mais altas, resiste a secas e infeções fúngicas e até tem um sabor melhor do que quase qualquer moca no mercado.

Os impactos das alterações climáticas não serão distribuídos uniformemente pelo mundo e algumas regiões podem até beneficiar.

Por exemplo, partes da China, Argentina e Estados Unidos provavelmente tornar-se-ão mais adequadas para o cultivo de moca. Pelo contrário, nações porquê Brasil e Colômbia verão as suas terras tornarem-se menos adequadas.

O Brasil, que atualmente é o maior produtor de moca do mundo, poderá ver as suas terras mais adequadas para o cultivo de moca diminuir em 79%.

Aliás, tapume de 60% das atuais culturas de moca já estão ameaçadas de extinção.

A equipa de Haggar conseguiu colher grãos de stenophylla suficientes para enviar uma pequena exemplar para ser testada na Europa. Lá, os grãos foram torrados, moídos e preparados na primeira chávena de moca stenophylla em mais de meio século, escreve a Discover Magazine.

No ADN das espécies selvagens de moca podem estar escondidos valiosos traços genéticos para sobreviver a condições mais severas, distanciar patógenos e muito mais.

Se os investigadores não encontrarem uma espécie selvagem ou híbrida mais adequada ao calor e à seca, a oferta mundial de moca de qualidade pode diminuir drasticamente.

Coffea stenophylla já foi cultivada em vários países da África Ocidental. No entanto, quando os investigadores chegaram à Serra Leoa, já tinha praticamente sumido da memória. Aliás, até a encontrarem na floresta no meio da Serra Leoa, os cientistas nem tinham a certeza se a espécie existia na natureza.

Entretanto, os investigadores já provaram o moca e ficaram surpreendidos com o seu sabor. Um dos cientistas ingleses identificou notas de toranja, pêssego e chocolate de leite, e um interessante estabilidade de acidez que deu ao moca uma suculência rara.

Num teste de sabor às cegas, com amostras de arábica e robusta, a stenophylla esteve à profundeza. A maioria dos participantes achou que a novidade espécie tinha um sabor semelhante. É um sinal de esperança para o horizonte da stenophylla e do próprio moca.

Ainda assim, há algumas limitações. São precisos três a quatro anos para as vegetais atingirem a maturidade e ainda é preciso investigar mais antes de a stenophylla chegar aos grandes produtores. Alguns especialistas estimam que seja necessário, pelo menos, mais uma dez até que a vegetal “perdida” chegue aos mercados internacionais.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe um comentário