O “recente” vulcanismo em Plutão criou um verdadeiro quebra-cabeças

0
3122

NASA/Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory/Southwest Research Institute

Cientistas descobriram que Plutão registou “recentemente” atividade vulcânica, o que criou um verdadeiro quebra-cabeças para os investigadores.

Plutão, o maior planeta liliputiano do Sistema Solar, ficou ainda mais interessante com um relatório de que fluxos de lava gelada cobriram recentemente partes substanciais da sua superfície.

Neste contexto, “recentemente” significa provavelmente tapume de um milénio milhão de anos. Isso é vetusto – e não há nenhuma sugestão de que os vulcões ainda estejam ativos – mas é exclusivamente um quarto da idade do Sistema Solar e ninguém sabe uma vez que Plutão produziu o calor necessário para cevar essas erupções.

A notícia, que chega quase sete anos depois de a sonda New Horizons da NASA ter feito o seu espetacular sobrevoo de Plutão a 14 de julho de 2015, surge graças à estudo de imagens e outros dados por uma equipa liderada por Kelsi Singer do Southwest Research Institute, em Boulder, Colorado.

A equipa de Singer labareda a atenção próprio para uma propriedade montanhosa chamada Wright Mons, que se eleva de 4 a 5 km supra dos seus periferia. Tem tapume de 150 km na sua base e tem uma depressão medial de 40 a 50 km de largura.

A equipa alega que Wright Mons é um vulcão e cita a falta de crateras de impacto uma vez que evidência de que não é provável que tenha mais de 1-2 milénio milhões de anos. Muitas outras áreas de Plutão existem há tempo suficiente para apinhar um grande número de crateras de impacto – nenhum fluxo recente de lava gelada as cobriu.

No que toca a vulcões, Wright Mons é grande. O seu volume ultrapassa 20 milénio quilómetros cúbicos. Embora consideravelmente mais pequeno do que o volume dos maiores vulcões de Marte, isso é semelhante ao volume totalidade do Mauna Loa do Havaí e muito maior do que o volume da sua porção supra do nível do mar.

Isto é particularmente impressionante devido ao pequeno tamanho de Plutão, com um diâmetro de tapume de um terço do de Marte e um sexto do da Terreno.

Em pormenor, as encostas de Wright Mons e grande segmento dos seus periferia são vistas cheias de montículos de até 1 km de profundidade e principalmente de 6 a 12 km de diâmetro.

A equipa conclui que esses montes são feitos principalmente de gelo de chuva, em vez de gelo de nitrogénio ou metano que cobre outras regiões jovens de Plutão. Os investigadores argumentam que isso é consistente com a força do material necessária para formar e preservar essas cúpulas, mas reconhecem pequenas manchas de gelo de nitrogénio muito mais fraco, principalmente na depressão medial.

As colinas provavelmente foram criadas por qualquer tipo de vulcanismo de gelo, publicado pelo termo técnico “criovulcanismo”. Uma erupção de chuva gelada em vez de rocha derretida.

A densidade aparente de Plutão mostra que deve ter rochas no seu interno, mas as suas regiões externas são uma mistura de gelos (chuva, metano, nitrogénio e provavelmente também amónia e monóxido de carbono) da mesma forma que a crosta da Terreno e outros planetas rochosos é uma mistura de vários minerais de silicato.

Na temperatura da superfície de Plutão, muito aquém de -200°C, o gelo feito de chuva congelada é imensamente potente. Ele pode formar montanhas íngremes que durarão por toda a evo sem tombar ladeira aquém.

Uma vácuo na teoria?

A equipa de investigadores cita a profundidade e o volume da depressão medial de Wright Mons para descartar sugestões anteriores de que esta é uma cratera vulcânica (uma caldeira) ou que foi escavada por erupções explosivas.

Em vez disso, os cientistas consideram que de alguma forma ela evitou ser coberta por montículos em erupção.

O professor de geociências planetárias David Rothery tem dúvidas sobre isso, porque há um provável vulcão ainda maior, Piccard Mons, ao sul de Wright Mons, que também possui uma grande depressão medial.

Rothery argumenta que lhe parece muita coincidência possuir dois vulcões adjacentes, ambos com buracos fortuitos no meio. O professor universitário acha mais provável que essas depressões centrais sejam de alguma forma segmento integrante de uma vez que esses vulcões cresceram ou entraram em erupção.

Deixe um comentário