O seu próximo telemóvel pode ser feito de cogumelos

0
3974

treegrow / Flickr

Uma forma inesperada de evitar um monte ainda maior de lixo electrónico. A Natureza pode ajudar.

Tem-se repetido a discussão sobre o porvir do lítio, depois de ser utilizado na bateria dos carros eléctricos. Reciclável? Lixo?

Mas há muito tempo que o lixo electrónico existe. E não pára de aumentar. Entre máquinas de lavar, frigoríficos, automóveis… E, evidente, agora milhões de telemóveis que seguem para o lixo.

Fazendo uma confrontação com alguma coisa muito famoso, todos os dias há lixo electrónico correspondente a 14 Torres Eiffel.

A reciclagem existe mas, muitas vezes, é um processo multíplice e, também em muitos casos, a percentagem do material realmente reciclado é mínima.

Mas a Natureza pode ajudar a evitar um monte ainda maior de lixo electrónico, no planeta.

Porquê? Colocando na constituição dos telemóveis componentes biodegradáveis – uma teoria que não é novidade.

Um estudo focado numa tecnologia biodegradável – publicado no sábado na Science Advances – tenta mostrar que é melhor pensar em materiais e abordagens sustentáveis ​​desde o início, para evitar o desperdício, que já é visível.

A equipa da Universidade de Linz, na Áustria, responsável por levante projecto, está a desenvolver uma base para electrónicos sustentáveis feitos da pele do micélio.

O micélio é rico em quitina e celulose; e compõe a maior segmento do corpo de um…cogumelo.

Um material utilizado normalmente para isolar e resfriar circuitos electrónicos.

Mas os austríacos mostram que a pele do cogumelo pode substituir os polímeros plásticos não recicláveis. E dar outra sustentabilidade à geração de telemóveis, por exemplo.

Só são precisas duas coisas: alguma madeira em dissolução e os esporos certos.

A equipa de Linz vai tentar emendar alguns processos, no momento de cultivo, para uniformizar o micélio. Mas a solução vai continuar a ser testada e aprofundada.

  ZAP //

Seja um visitante de carteirinha, assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos

Deixe um comentário