O simples ato de se perder nos seus pensamentos pode ajudar a resolver problemas

0
298

Steve Jurvetson / Flickr

Perder-se no pensamento ou deixar a mente vaguear (não em resto) é uma atividade subestimada, ao ponto de um novo estudo discípulo mostrar que esta é tanto mais gratificante quanto mais é praticada.

Uma equipa de psicólogos que estudaram mais de 250 pessoas encorajadas a dedicar-se à contemplação sem direção ou a um pensamento flutuante livre disseram que a atividade era muito mais satisfatória do que os participantes tinham previsto.

Os académicos, pertencentes Universidade de Tübingen, no sul da Alemanha, estavam interessados em desenredar por que razão, apesar de ser a única espécie capaz de permanecer quieta e pensar para si própria, os humanos estão geralmente relutantes em fazer uso deste talento.

Porquê tal, recorreram a uma série de experiências que culminou no seu estudo e que mostra que as pessoas gostam de deixar a sua mente vaguear quando lhes é dada a oportunidade de o fazer, embora alguns ainda o considerem uma atividade extenuante. Os resultados, em traço com os de pesquisas anteriores, também apontam que perder-se nos seus pensamentos pode ajudar a resolver problemas, aumentar a originalidade, aumentar a imaginação e contribuir para um sentimento de auto-estima.

Apesar disso, é mais provável que a maioria das pessoas se distraia com qualquer informação que ouve na rádio ou publicação do Instagram do que mergulhe nos seus próprios pensamentos ou simplesmente olhe pela janela.

Os smartphones tornaram inevitavelmente mais fácil procurar e encontrar uma manancial de distração e contribuíram para a perda do hábito do pensamento livre, acreditam os autores. Algumas pessoas simplesmente acham difícil passar tempo com os seus próprios pensamentos, mormente se tinham tendência para o pensamento negativo, disseram eles.

O investigador líder do estudo, Kou Murayama, o professor de psicologia pedagógica da Universidade de Tübingen, disse que as pessoas geralmente achavam difícil prezar até que ponto a contemplação era alguma coisa a ser valorizado. Em vez disso, consideravam outras atividades uma vez que mais atrativas – até serem encorajadas a deixar as suas mentes vaguear.

“Isto poderia explicar porque é que as pessoas preferem manter-se ocupadas em vez de gozar de um momento de reflexão ou deixar a sua imaginação fluir consigo próprias na sua vida quotidiana”, disse Murayama.

O estudo, no qual participaram 259 pessoas, foi publicado no Journal of Experimental Psychology. As experiências incluíram pedir aos participantes que estimassem até que ponto gostariam de se sentar sozinhos e pensar para si próprios durante 20 minutos. Foram proibidos de utilizar um smartphone, de ler, ou de andejar por aí.

De congraçamento com os resultados, cada um deles achou que o seu prazer em deixar as suas mentes vaguear era muito maior do que tinham esperado. Isto manteve-se mesmo quando as condições da experiência foram alteradas, incluindo colocar os participantes sozinhos numa sala de conferências, colocá-los numa tenda ou armário escuro, ou deixá-los sentar sozinhos durante exclusivamente três minutos ou durante 20 minutos.

Por vezes era-lhes pedido que comentassem uma vez que se sentiam a meio das sessões, por vezes depois de terminadas. Mas em todos os casos os participantes diziam que a sua satisfação era maior do que tinham previsto.

Um grupo de teste de outros participantes teve chegada a dispositivos digitais, e foi-lhes permitido ler notícias na oblíquo. Inicialmente, a expectativa era que aqueles a quem foram dados os dispositivos digitais desfrutassem melhor da atividade, até porque os escolhidos para contemplar não estavam muito entusiasmados em saber que atividade o grupo “rival” tinha sido oferecido.

No entanto, nos questionários que foram posteriormente preenchidos, constatou-se que ambos os grupos tinham proveito a mesma fruição com as suas atividades. “Estes resultados na era da inundação de informação em que vivemos são de pessoal relevância“, disse Murayama aos meios de informação alemães.

  ZAP //

Deixe um comentário