Os dragões marinhos são criaturas muito estranhas — e os cientistas finalmente descobriram porquê

0
400

James Rosindell/Wikimedia

Dragão do Mar

Descobrir um dragão marinho no meio das algas marinhas e embelezado com cores estonteantes é um espetáculo a contemplar. No entanto, apesar desta aparente sorte, a verdade é que os dragões-marinhos escondem mais do que aparentam ser. Na verdade, estes animais, por mais deslumbrados que sejam, também têm falta de dentes e costelas, ao mesmo tempo que as suas espinhas são curvadas e dobradas.

Agora, os cientistas encontraram pistas genéticas que podem explicar porque é que os dragões-marinhos parecem tão marcadamente distintos. A verdade é que não só os seus genomas estão repletos de pedaços repetitivos de ADN que impulsionam a evolução, como também lhes falta um grupo de genes que dão origem a dentes, nervos, e características faciais noutros animais.

A exploração dos genomas dos dragões marinhos “levantou um véu sobre a evolução dos traços específicos dos dragões marinhos” e “revelou facetas evolutivas intrigantes desta invulgar família de vertebrados, os Syngnathidae, como um todo”, escreve a equipa responsável por um novo artigo.

Os dragões marinhos pertencem à mesma família que os peixe-tubo e os cavalos marinhos, os Syngnathidae, que são conhecidos por terem desenvolvido uma gravidez masculina. “Este grupo é simplesmente fixe por várias razões diferentes”, descreve o investigador de genética evolutiva Clayton Small da Universidade do Oregon, que liderou o estudo juntamente com Susan Bassham. “Mas os dragões-marinhos são bolas estranhas num grupo de peixes já de bolas estranhas”.

Para descobrir porquê, Small, Bassham e a equipa sequenciaram os genomas de duas espécies de dragões-marinhos: o dragão-marinho-folhoso e o dragão-marinho-arbusto ou comum, ambos encontrados em águas frias ao largo da costa mais meridional da Austrália. À deriva, juntamente com as suas frondes semelhantes a folhas, estes peixes esguios podem ser difíceis de detetar.

Todas as três espécies de dragões-marinhos são reverenciadas pelas suas formas coloridas e fantasiosas de corpo e focinhos longos e tubulares de crustáceos, mas o dragão-marinho rubi parece ter perdido os apêndices folhosos exibidos pelas outras, com a evolução a acabar com os floreados extravagantes.

Os cientistas consideram que os dragões-marinhos evoluíram as suas características extravagantes bastante rapidamente, nos últimos 50 milhões de anos mais ou menos, uma vez que eles e os cavalos-marinhos se ramificaram para formar uma nova família.

Contudo, o que é menos claro é a forma como eles passaram a ter um aspeto tão distinto. Assim, para este estudo, os investigadores da Universidade do Oregon juntaram-se a cientistas do Birch Aquarium no Scripps Institution of Oceanography, e do Tennessee Aquarium, para analisar que amostras tinham de dragões-marinhos criados em cativeiro.

Acontece que os dragões-marinhos, em comparação com os seus parentes mais próximos, peixes-canídeos e cavalos marinhos, têm no seu código genético um número surpreendentemente grande de sequências repetitivas de ADN chamadas transposons, também conhecidas como “genes saltadores“.

Em comparação com dois parentes distantes, o zebrafish e o sticklebacks, os genomas dos dragões-marinhos frondosos e magros estão a faltar um pedaço de genes que desempenham papéis indispensáveis noutros vertebrados, contendo instruções sobre como formar estruturas faciais, dentes, membros, e mesmo partes do sistema nervoso central.

Enquanto os investigadores foram tentados a especular que a perda destes genes poderia explicar como os dragões marinhos desenvolveram características faciais alongadas e fabulosos folhos, mais investigação será necessária para sondar a história evolutiva dos dragões marinhos e seus parentes.

Mas os investigadores ainda não o fizeram, imaginando também um espécime de dragão-marinho macho adulto, com raios X de alta resolução, que revelou que os apêndices ornamentais provavelmente evoluíram a partir de espinhas. “Pudemos ver que as estruturas de suporte das pás folhosas pareciam ser elaboradas de espinhos [com apêndices carnudos] adicionados às extremidades”, diz Bassham.

A equipa também notou que estes suportes ósseos diferiam dos ossos endurecidos e ossificados encontrados nas barbatanas da maioria dos peixes ósseos, e em vez disso parecem estar endurecidos por um núcleo de tecido colagénio – acrescentando à história de como as estruturas únicas do corpo do dragão marinho vieram a ser.

Contudo, os dragões-marinhos evoluíram, os resultados são gloriosos, mesmo glamorosos. Tanto quanto sabemos, os dragões-marinhos podem ainda ter mais alguns segredos escondidos no seu genoma, que podem ser desvendados com mais comparações genéticas.

  ZAP //

Deixe um comentário