Os humanos são 8% vírus

0
5536

qimono / Pixabay

Remanescentes de antigas pandemias virais na forma de sequências de ADN viral incorporadas nos nossos genomas ainda estão ativos em pessoas saudáveis, de tratado com uma novidade pesquisa.

HERVs, ou retrovírus endógenos humanos, compõem muro de 8% do genoma humano, deixados para trás porquê resultado de infecções que os nossos ascendentes primatas da humanidade sofreram há milhões de anos. Eles se tornaram segmento do genoma humano devido à forma porquê se replicam.

Uma vez que o VIH moderno, estes retrovírus antigos tiveram que inserir o seu material genético no genoma do seu hospedeiro para se replicarem. Normalmente, levante tipo de material genético viral não é transmitido de geração em geração.

Mas alguns retrovírus antigos ganharam a capacidade de infectar células reprodutivas, porquê óvulos ou espermatozóides, que passam o seu ADN para as gerações futuras. Ao atingir as células reprodutivas, estes retrovírus foram incorporados nos genomas ancestrais humanos ao longo de milhões de anos e podem ter implicações na forma porquê os cientistas examinam e testam doenças hoje.

Genes virais ativos no genoma humano

Os vírus inserem os seus genomas nos seus hospedeiros na forma de um provírus. Existem muro de 30 tipos diferentes de retrovírus endógenos humanos na população atual, totalizando mais de 60.000 provírus no genoma humano.

Os vírus demonstram a longa história das muitas pandemias às quais a humanidade foi submetida ao longo da evolução. Os cientistas pensam que estes vírus já infectaram amplamente a população, uma vez que se fixaram não unicamente no genoma humano, mas também em chimpanzés, gorilas e outros genomas de primatas.

Pesquisas mostraram que os genes HERV são ativos em tecidos doentes, porquê tumores, muito porquê durante o desenvolvimento embrionário humano. Mas ainda não se sabia quão ativos os genes HERV são no tecido saudável.

Para responder a essa pergunta, um novo estudo concentrou-se num grupo de HERVs divulgado porquê HML-2. Oriente grupo é o mais recentemente ativo dos HERVs, tendo sido extinto há menos de 5 milhões de anos. Mesmo agora, alguns dos seus provírus dentro do genoma humano ainda mantêm a capacidade de produzir proteínas virais.

Foi sondado o material genético de um banco de dados contendo mais de 14.000 amostras de tecidos doados de todo o corpo, em procura de sequências que correspondiam a cada provírus HML-2 no genoma e foram encontrados 37 provírus HML-2 diferentes que ainda estavam ativos.

Todas as 54 amostras de tecido tinham alguma evidência de atividade de um ou mais desses provírus. Aliás, cada exemplar de tecido também continha material genético de pelo menos um provírus que ainda poderia produzir proteínas virais.

Por outro lado, a pesquisa também sugere que os HERVs podem até ser benéficos para as pessoas. O HERV mais famoso incorporado em genomas humanos e animais, a sincitina, é um gene derivado de um retrovírus idoso que desempenha um papel importante na formação da placenta. A gravidez em todos os mamíferos é dependente da proteína derivada do vírus codificada neste gene.

Da mesma forma, camundongos, gatos e ovelhas também encontraram uma maneira de usar retrovírus endógenos para se proteger contra o idoso vírus original que os criou. Embora estes genes virais incorporados sejam incapazes de usar a maquinaria de seu hospedeiro para produzir um vírus completo, circulam peças danificadas suas suficientes no corpo para interferir no ciclo de replicação do seu vírus antigo se o hospedeiro o encontrar.

Os cientistas teorizam que um HERV pode ter desempenhado esse papel protetor nas pessoas há milhões de anos. O estudo destaca mais alguns HERVs que poderiam ter sido reivindicados ou cooptados pelo corpo humano muito mais recentemente para esse mesmo propósito.

Dúvidas que persistem

A pesquisa revela um nível de atividade do HERV no corpo humano que era anteriormente incógnito, causando tantas perguntas quanto respostas.

Ainda há muito a aprender sobre os vírus antigos que permanecem no genoma humano, incluindo se a sua presença é benéfica e que mecanismo impulsiona a sua atividade. Ver se qualquer desses genes é realmente transformado em proteínas também será importante.

Responder a estas perguntas pode revelar funções anteriormente desconhecidas para esses genes virais antigos e ajudar os investigadores a entender porquê o corpo humano reage à evolução ao lado desses vestígios de pandemias antigas.

Deixe um comentário