Os métodos desesperados para pacificar a dor usados antes da anestesia

0
4210

Jan Sanders van Hemessen / Wikimedia

Claro dia, em setembro de 1811, a escritora britânica Frances Burney viu-se rodeada por sete homens vestidos de preto que empunhavam objetos cortantes pontiagudos.

A sua única opção foi fechar os olhos, “renunciando a qualquer reparo, qualquer resistência, qualquer interferência, tristemente decidida a resignar-me por completo”.

Burney estava em Paris, nas mãos de uma equipa excepcionalmente grande de profissionais, incluindo dois dos principais cirurgiões da era: Dominique Jean Larrey, cirurgião-chefe do tropa imperial, e Antoine Dubois, cirurgião consultor do próprio Napoleão.

O motivo que a fez submeter-se a essa dolorosa experiência foi um cancro na peito. “Desesperada e sem esperanças”, ela entregou-se ao inevitável, segundo contaria mais tarde por epístola à mana Esther.

Intitulada “Relato de Paris de uma operação terrível”, a epístola foi uma das primeiras descrições em primeira pessoa de uma mastectomia. E uma das poucas descrições detalhadas do terrível tormento a que se submetiam as pessoas que eram operadas antes da invenção da anestesia.

Dubois havia avisado que ela iria “tolerar muito“. E Burney sabia que teria que sustentar, “desafiando um terror que supera qualquer descrição, a dor mais torturante”.

“Mas, quando o aço terrível penetrou no peito, cortando as veias, as artérias, a músculos, os nervos” das suas vísceras, irrompeu “um grito que perdurou ininterruptamente durante todo o tempo da incisão (…) de tão insuportável foi a agonia. (…) Senti a faca contra o esterno, raspando-o!”

O prova de Burney oferece uma visão profunda da dor física e psíquica vivenciada pelos pacientes que passavam por cirurgias. E ela sentiu as sequelas não só no corpo, mas também na mente.

“Passei não foram dias, nem semanas, mas meses sem poder falar deste tema terrível sem praticamente voltar a vivê-lo!”, escreveu.

Burney conta que Larrey “tinha lágrimas nos olhos” ao contemplar o procedimento e que, na única vez em que falou, foi para proferir o quanto se compadecia da situação, ao observar sua preocupação ao vê-la passar por tamanho sofrimento.

Oferecido tamanho horror, não é de se estranhar que as tentativas de reduzir a dor por meio da inconsciência sejam tão antigas quanto a própria cultura.

Um brinde e diversas poções

Muitos dos processos eram inofensivos e ineficazes, enquanto outros eram simplesmente perigosos.

A ingestão de etanol para induzir uma espécie de desapego da dor era uma das práticas mais comuns. Os médicos embriagavam os pacientes até que eles não se importassem mais com as dores que sentiam.

O álcool também servia frequentemente uma vez que solvente em poções sedativas, que místicos e curandeiros de todo o mundo preparavam com vegetação capazes de mudar a mente.

Um dos exemplos mais antigos chama-se máfèisàn — uma mistura de extratos de ervas criada pelo cirurgião chinês Hua Tuo, do século II. Segundo o Livro do Han Ulterior, que descreve a história chinesa daquele período, Hua Tuo foi o primeiro médico a realizar uma cirurgia com anestesia, 1,6 milénio anos antes de a prática ser adotada na Europa.

A receita exata se perdeu, mas acredita-se que o lendário sedativo contivesse cannabis ou acônito (Aconitum napellus), uma vegetal venenosa que pode ser trágico.

Alguns dos ingredientes de outras poções sedativas também possuem essa mesma propriedade, uma vez que a beladona, uma das vegetação mais tóxicas do Hemisfério Setentrião que foi usada durante séculos em tratamentos medicinais, ou a cicuta, o veneno solene da Grécia antiga que matou Sócrates.

A cicuta era um dos ingredientes do sedativo inglês dwale, que também continha: ópio, bílis de javali, nabo-do-diabo, meimendro, alface e vinagre

O dwale é um exemplo das poções que começaram a ser padronizadas na Idade Média em torno deste grupo específico de vegetação. No século XV, uma mistura de ópio, mandrágora e meimendro era o sedativo preposto para procedimentos cirúrgicos, uma vez que amputações. E os sedativos mudaram muito pouco daquela era até o século XIX.

Mas estas poções não eram o único método usado para induzir a inconsciência.

Golpes, pressões e hipnose

Tomar poções que, em mãos incautas, poderiam envenenar o paciente não era muito recomendável. Permitir levar um poderoso golpe na cabeça tampouco não era a opção mais encantador. Mas recorria-se a esta medida quando tudo o resto falhava ou não estava disponível. Era uma medida misericordiosa, mas as suas consequências podiam incluir até mesmo um traumatismo craniano.

Outra técnica usada era a emprego de pressão nos nervos para suscitar dormência nas extremidades, ou nas artérias do pescoço.

A pressão nos nervos foi utilizada em 1784 pelo cirurgião britânico John Hunter para mutilar um membro e, segundo o Escola Real de Anestesistas do Reino Unificado, o paciente não sentiu dor.

Já a pressão sobre as artérias não era muito generalidade, por uma razão muito simples: a obstrução do fluxo de sangue para o cérebro colocava a vida do paciente em risco.

A hipnose — conhecida uma vez que “mesmerismo” ou “magnetismo bicho” no final do século XVIII — era menos perigosa e poderia ser eficiente, mas somente em indivíduos suscetíveis.

Finalmente!

Até que, em meados do século XIX, surgiu o primeiro agente sedativo com sucesso comprovado: o éter dietílico.

A substância havia sido sintetizada originalmente (por meio da ação do ácido sulfúrico sobre o etanol) no século XIII. Há relatos daquela era de que o éter dietílico produzia conforto da dor e perda de consciência, mas ele só foi aplicado clinicamente 600 anos depois.

O clorofórmio também entrou em cena, e estes dois compostos ofereceram aos cirurgiões mais tempo para operar — portanto, de forma mais meticulosa.

Mas, na dez de 1850, houve debates acalorados sobre os riscos e benefícios da anestesia. Havia dúvidas se a dor seria necessária para o sucesso da cirurgia.

Durante a Guerra da Crimeia (1853-1856), o médico-chefe do tropa britânico proibiu especificamente o uso de clorofórmio em cirurgias no campo de guerra.

Um cirurgião militar comentou que preferia ouvir “os fortes gritos” dos soldados enquanto passavam pelo lugar de cirurgia e afirmava que era um sinal de que eles estavam a lutar para sobreviver.

Mas, em 1860, a anestesia era de uso generalidade. No início do século XX, foram utilizados os primeiros anestésicos locais, com base na cocaína, e começaram a surgir os primeiros profissionais anestesistas.

Mas o éter e o clorofórmio, às vezes usados combinados, continuavam a ser os únicos anestésicos gerais (embora o clorofórmio tenha deixado de ser usado na dez de 1930).

Foi necessária uma guerra mundial para que fossem desenvolvidas os medicamentos e os gases utilizados hoje em dia nos centros cirúrgicos — que devem a sua existência ao desenvolvimento das armas nucleares.

“As bombas nucleares exigiam hexafluoreto de urânio, e o progressão repentino da química de fluoretação durante a Segunda Guerra Mundial permitiu a produção de anestésicos muito eficazes, não inflamáveis e mais seguros“, explica William Harrop-Griffiths, presidente da Junta de Pesquisa e Qualidade Clínica do Escola Real de Anestesistas do Reino Unificado.

Por isso, Harrop-Griffiths afirma que “de alguma coisa que matou dezenas de milhares [de pessoas], surgiram medicamentos que salvaram centenas de milhares”.

Deixe um comentário