Os tubarões podem estar cada vez mais próximos das cidades

0
488

(CC0/PD) PIRO4D / Pixabay

As linhas costeiras do mundo estão a urbanizar-se rapidamente, mas a forma como este aumento da presença humana pode ter impacto nas espécies que vivem no oceano não é claro.

Num novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Miami, os investigadores seguiram os movimentos de três espécies de tubarões, em relação à cidade de Miami.

Dada a poluição química e sonora que emana da metrópole costeira, os investigadores esperavam que os tubarões evitassem áreas próximas da cidade, mas não foi isso que encontraram, segundo o estudo, publicado no Marine Ecology Progress Series, a 16 de junho.

Alguns animais, como as pombas e o guaxinim, prosperam nas cidades. Estas espécies, conhecidas como “exploradoras urbanas”, tornam-se frequentemente dependentes do lixo humano para a alimentação.

Outros animais, conhecidos como “adaptadores urbanos”, podem mostrar alguma utilização de áreas urbanizadas, mas ainda dependem largamente de áreas naturais.

Por outro lado, algumas espécies de predadores terrestres, como é o caso dos lobos, são muito sensíveis à perturbação humana. Estes “evitadores urbanos” afastam-se  das grandes cidades.

“Poucos estudos investigaram os movimentos dos predadores marinhos em relação à urbanização, mas como outros estudos mostraram que os predadores terrestres são evitadores urbanos, esperávamos que os tubarões também o fossem”, indica Neil Hammerschlag, diretor do Programa de Investigação e Conservação de Tubarões da Universidade de Miami e autor principal do estudo.

“Ficámos surpreendidos ao descobrir que os tubarões que seguimos passaram tanto tempo perto das luzes e sons da cidade movimentada, muitas vezes perto da costa, independentemente da hora do dia”, acrescenta.

Os investigadores concluíram que os comportamentos dos tubarões estudados se assemelhavam aos dos “adaptadores urbanos”, segundo a Science Daily.

O estudo especula que os tubarões poderiam ser atraídos para terra a partir de atividades terrestres, tais como o descartar de carcaças de peixe.

A utilização relativamente elevada de áreas de impacto urbano pelos tubarões rastreados pode ter consequências tanto para os tubarões como para os humanos.

“Ao passar tanto tempo perto da costa, os tubarões estão em risco de exposição a poluentes tóxicos, bem como à pesca, o que pode ter impacto na sua saúde e sobrevivência”, alerta Hammerschlag.

Embora os ataques de tubarões aos seres humanos sejam raros, o estudo também aponta áreas próximas da costa de Miami que podem ser evitadas pelos banhistas para reduzir a probabilidade de um encontro menos agradável com tubarões, promovendo a coexistência de tubarões e humanos.

  ZAP //

Deixe um comentário