polvos filmados a atirar conchas, abelhas empurram bolas

0
3642

Reprodução / YouTube

Imagens inéditas mostram uma espécie de “estratégia social” dos polvos. Abelhas também realizam actividades só por prazer.

Nunca visto: polvos a atirarem conchas e jactos de chuva uns aos outros, só por folia.

Já tínhamos visto chimpazés, elefantes ou ursos polares a atirarem objectos, por diversão. Polvos, nunca.

Pela primeira vez, um vídeo mostra polvos a brincarem dessa forma – não estavam em qualquer confronto, ou a defender-se de outros animais.

Estas filmagens na Austrália já foram realizadas em 2015 e 2016 mas só foram partilhadas na semana passada, na revista científica Plos One.

A câmara de filmar ficava 24 horas seguidas num determinado lugar – em vários dias – e assim captou 102 momentos de folia envolvendo lançadura de atritospelos Octopus tetricus.

E na maioria das vezes (praticamente dois terços dos casos), eram as fêmeas quem estavam a folgar.

Praticamente metade das brincadeiras eram entre polvos – com tentativas de acasalamento pelo meio, também – ficando a outra metade para polvos a interagirem com outros animais.

Conchas, iodo, algas, jactos de chuva, sobras de refeições… Tudo servia. E os cientistas não sabem explicar ao patente o que origina estas atitudes. Admitem que deverá ser uma “estratégia social”.

Depois há outra questão: a percentagem de acerto. Se fossem jogadores de basquetebol, seriam sempre suplentes não utilizados: só acertaram noutros polvos em 17% dos lançamentos.

Mas, admite a equipa, o lançadura pode não ter um intuito, muitas vezes. O peça pode ser atirado só para o ar (ou para a chuva, neste caso).

Abelhas também brincam

Por coincidência, poucos dias antes desta publicação, foi partilhada na revista Bicho Behaviour um estudo sobre abelhas – que também brincam, ao que parece.

Os especialistas verificaram que as abelhas gostavam de empuxar bolas de madeira. E sem qualquer recompensa por isso, ou sem precisarem das bolas para uma construção. Era a sua folia.

45 abelhas estiveram numa zona com 18 bolas de madeira coloridas. Para chegarem ao maná, as abelhas não precisavam de tocar nas bolas; mas a maioria preferia folgar com as bolas que estavam soltas (algumas fizeram isso 44 vezes num dia).

A experiência decorreu ao longo de 18 dias, com as abelhas a estarem próximas das bolas durante três horas por dia.

Cá, ao contrário dos polvos, foram os machos a empuxar bolas durante mais tempo.

“Isto mostra que as abelhas não são pequenos robôs que se limitam a responder a estímulos… De facto, realizam actividades que podem ser aprazíveis”, contou Samadi Galpayage, líder do estudo e investigadora na Universidade Queen Mary de Londres.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe um comentário