Posteriormente licença do Ibama, Exxon Mobil perfura bacia do Rio São

0
5341

A empresa multinacional Exxon Mobil já iniciou a perfuração na Bacia de Sergipe e Alagoas, região em que o Rio São Francisco deságua para o mar. Os blocos estão localizados entre 67 e 94 quilômetros da costa a reverência de 3 milénio quilômetros de profundidade.

No último dia 17, a empresa recebeu a licença de operação pelo Instituto Brasílio do Meio Envolvente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a exploração de até 11 poços de petróleo e gás, o que vem preocupando trabalhadores e trabalhadoras da pesca. 

Leia mais: Ibama dá licença à ExxonMobil e acende alerta para poluição de petróleo na foz do São Francisco

Para Cícera Estevão, pescadora artesanal e integrante da Percentagem Pastoral de Pescadores (CPP), é preocupante a exploração de petróleo na região, uma vez que se trata de uma superfície pesqueira.

“Para a pesca artesanal, é muito ruim, porque essas grandes empresas, grandes empreendimentos, vêm e acabam com a nossa costa e nossos estuários, nossas praias, tiram o que eles querem, os benefícios próprios deles e não estão se importando com a pesca artesanal, com o meio envolvente”, acredita a pescadora.

Apesar de ainda ser necessária outra licença para a tempo de produção, em que o petróleo pode ser tirado e comercializado, já existem impactos que podem ser sentidos no fundo do mar a partir da perfuração.

É o que aponta o biólogo e presidente do Instituto Biota de Conservação, Bruno Stefanis. “Existem dois lados: o lado econômico e o ambiental. Para o ambiental nunca vai ser bom, porque nunca melhora e não vai melhorar com uma extração. Vai aumentar o risco, vai ter fluxo de embarcação, vai ter poluição sonora, vai ter poluição visual…Não tem uma vez que melhorar”, analisa o pesquisador

Leia também: Exploração de petróleo pela ExxonMobil no São Francisco pode afetar 52 unidades de conservação

A Licença de Operação para perfuração que teve início nesta semana na Bacia de Sergipe e Alagoas tem validade de até cinco anos. O poço mais próximo da costa fica a 67km do município sergipano de Brejo Brande. Mas esta exploração não é um caso só.

“São ritos que estão sendo seguidos, já tem outras vindo pra cá. Já tem outras empresas fazendo outras sísmicas, que depois dessas sísmicas vão vir outras empresas perfurar e vai extrair. E a gente não tem para onde passar. É uma política de governo estimular a extração de petróleo, é uma política vernáculo”, alerta o pesquisador.


O conjunto mais próximo está a 67km do município sergipano de Brejo Velho / Witt O’Brien’s Brasil

A perfuração da Exxon Mobil está sendo realizada junto com as empresas Enauta Participações, do Grupo Queiroz Galvão; e a estadunidense Murphy Oil. A Exxon possui blocos para exploração entre Alagoas e o Rio de Janeiro, dos quais o Projeto SEAL faz segmento e pode colocar em risco 52 unidades de conservação.

:: Exploração de petróleo da ExxonMobil ameaço a foz do rio São Francisco ::

Em nota, a empresa Exxon Mobil informou que sua prioridade é preservar a saúde e a segurança da comunidade e do meio envolvente. Neste sentido, promoveu mais de 190 reuniões com representantes das comunidades na superfície de abrangência do projeto, envolvendo mais de 560 partes interessadas, e participou de uma audiência pública virtual em 2021, na qual foram endereçadas à empresa mais de 140 perguntas pela comunidade.

A reportagem do Brasil de Indumento Pernambuco entrou em contato com o Ibama solicitando um posicionamento sobre a autorização, mas não obteve resposta.

Manadeira: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga e Rebeca Cavalcante

Manadeira: Brasil de Indumento

Deixe um comentário