Prefeitura do RJ exigirá comprovação de vacina para ambientes

0
847

A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou na manhã desta sexta-feira (27) que a partir de 1° de setembro será obrigatória a apresentação do comprovante de vacinação em ambientes fechados da cidade. A medida também passa a valer para turistas que visitarem a cidade.

De acordo com o novo decreto, espaços como museus, cinemas, teatros, academias de ginástica, por exemplo, só poderão ser acessados apenas por quem apresentar o comprovante de vacinação, com pelo menos a primeira dose.

Outras três resoluções também foram publicadas no Diário Oficial do município na terça-feira (27) a respeito do “passaporte da vacina”. Segundo as novas normas, haverá a necessidade de comprovação da vacinação para realizar cirurgias eletivas e para continuar recebendo o Cartão Família Carioca. Além disso, as medidas restritivas foram prorrogadas até o dia 13 de setembro.

Leia mais: Aulas presenciais só serão seguras com vacinação de crianças e adolescentes, diz Fiocruz

Durante a coletiva de imprensa realizada na apresentação do boletim epidemiológico, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), explicou o motivo das novas resoluções.

“Nosso objetivo é proteger as pessoas que acreditam na ciência e se vacinaram, e também fazer com que as pessoas se vacinem. Não é concebível que as pessoas que acham que vão se proteger sem a devida aplicação do imunizante, achem que vão ter uma vida normal. Não terão. Vão ter dificuldade na hora de ter essa cirurgia eletiva, programa de transferência de renda, e no lazer”, disse.

A comprovação da vacina pode ser feita pela carteira de vacinação digital do ConecteSUS, a própria caderneta física ou um papel timbrado da Secretaria Municipal de Saúde. As pessoas que tomaram somente a primeira dose também precisam mostrar que ainda não chegou a sua vez.

Confira os locais que exigirão o “passaporte da vacina”:

– Academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento e de condicionamento físico e clubes sociais;

– Vilas olímpicas, estádios e ginásios esportivos;

– Cinemas, teatros, salas de concerto, salões de jogos, circos, recreação

infantil e pistas de patinação;

– Atividades de entretenimento, exceto quando expressamente vedadas;

– Locais de visitação turísticas, museus, galerias e exposições de arte,

aquário, parques de diversões, parques temáticos, parques aquáticos,

apresentações e drive-in;

– Conferências, convenções e feiras comerciais.

 

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister

Fonte: Brasil de Fato