Recuperada jóia perdida do túmulo do Rei Tut

0
7577

Ministério das Antiguidades do Egito / Facebook

A pesquisa de Gabolde permitiu-lhe reconstruir virtualmente uma gargantilha larga que estava no peito de Tutankhamun mas que agora se encontra em múltiplas peças e locais, alguns dos quais desconhecidos.

O túmulo de Tutankhamun, revelado há um século, a 4 de novembro de 1922, dispunha muitos artefactos espetaculares. No entanto, algumas das jóias do faraó desapareceram desde a sua invenção, apesar das leis que especificam que os artefactos no túmulo pertencem ao Egito.

Especula-se que algumas destas jóias podem ter sido retiradas do Egipto por Howard Carter, o arqueólogo britânico que liderou a escavação que descobriu o túmulo. Na investigação, Marc Gabolde, professor de Egiptologia na Universidade Paul-Valéry de Montpellier, em França, identificou algumas destas jóias perdidas e onde poderiam estar. Ele examinou imagens que o fotógrafo Harry Burton retirou do túmulo de Tutankhamun nos anos 20 e comparou-as com peças encontradas em museus e locais de leilões.

A pesquisa de Gabolde permitiu-lhe reconstruir virtualmente uma gargantilha larga que estava no peito de Tutankhamun mas que agora se encontra em múltiplas peças e locais, alguns dos quais desconhecidos. Segundo Gabolde, partes do grudar foram tiradas por Carter e encontram-se no Museu de Arte Nelson-Atkins em Kansas City, no estado do Missouri, enquanto algumas das contas do grudar parecem ter sido restritas num grudar que é agora propriedade de proprietários anónimos que tentaram, sem sucesso, vendê-las em leilão — mais recentemente, em 2015, na Christie’s.

Gabolde comparou imagens do grudar tiradas por Burton a imagens do museu e do sítio do leilão e descobriu que elas parecem ser as mesmas, aponta a Live Science.

Numa epístola de 1934, o egiptólogo britânico Alan Gardiner criticou Carter por roubar do túmulo de Tutankhamun. Carter tinha oferecido a Gardiner um talismã inscrito, afirmando que não era do túmulo, mas Gardiner descobriu mais tarde que era porque combinava com outros retirados túmulo de Tutankhamun que tinham sido feitos a partir do mesmo molde. Gardiner tinha conseguido que Rex Engelbach, um egiptólogo e engenheiro, fizesse a identificação.

Gardiner escreveu a Carter, dizendo-lhe que o talismã tinha sido “sem incerteza roubado do túmulo de Tutankhamun” e que lamentou “profundamente” ter sido disposto numa posição tão embaraçosa” e notando que não tinha exposto a outros do roubo de Carter. Não é manifesto por que razão Carter roubou os artefactos. Documentos no Museu Nelson-Atkins indicam que Carter deu partes da coleira que agora se encontram no museu a um cirurgião chamado Berkeley Moynihan.

  ZAP //

Deixe um comentário