Revelado segundo cometa interstelar (a 23 km de Portugal)

0
4629

C M Handler / Wikipedia

O meteoro IM2 nasceu fora do Sistema Solar. Segundo um estudo realizado por astrónomos da Universidade de Harvard, leste é, depois do IM1, o segundo corpo interstelar a chegar à Terreno.

Investigadores da Universidade de Harvard identificaram a origem do meteoro CNEOS 2017-03-09, rebatizado IM2, uma vez que sendo interstelar.

Nascente é o segundo meteoro com origem extra-solar confirmada, depois de o CNEOS1 2014-01-08 (ou IM1) ter sido identificado uma vez que primeiro cometa nascido fora do nosso Sistema a chegar à Terreno.

Ambos os meteoros têm uma formação e características invulgares, divergindo das habituais neste tipo de corpos celestes. A sua densidade é 20 vezes maior do que a dos meteoritos rochoso, e são duas vezes maiores do que os meteoritos metálicos.

Segundo o novo estudo, que vai ser publicado na Astrophysical Journal Letters, o IM1 e o IM2 poderão ter sido originados pela explosão de uma supernova.

O IM1 foi detetado em 2014 por sensores do Departamento de Resguardo dos Estados Unidos e identificado em 2019 uma vez que objeto interstelar. Tinha um diâmetro de 0,45 metros, uma volume de 460 kg e chegou à Terreno a uma velocidade de 60 km/s.

“A epílogo de que o IM1 era um objeto interstelar foi confirmada leste ano por uma estudo independente do Departamento de Resguardo dos EUA”, explicam Amir Siraj e Abraham Loeb, autores do novo estudo.

O IM1 foi identificado quase quatro anos antes da invenção do Oumuamua, o  misterioso corpo interstelar que passou pelo Sistema Solar e nos deixou em 2021,a caminho do seu sorte, sem que a sua origem tivesse sido determinada — e que pode ser, ou de certeza que não é, uma nave estraterrestre.

O IM2, agora confirmado uma vez que segundo corpo interstelar a atingir a Terreno, foi identificado em dados do CNEOS, o Núcleo de Estudos de Objetos Próximo da Terreno da NASA.

Segundo a Sci News, o meteoro foi detetado no dia 9 de março de 2017, no Oceano Atlântico, ao largo da costa de Portugal, a uma altitude de 23 km.

Tinha sensivelmente um metro de diâmetro, uma volume 10 vezes maior do que a do IM1, e deslocava-se, anets do impacto na Terreno, a uma velocidade de 40 km/s.

Segundo os autores do estudo, a resistência do material que compõe o IM1e IM2 coloca-os no primeiro e terceiro lugar do ranking dos 273 corpos seguidos pelo CNEOS.

“A resistência do material dos meteoros interstelares é significativamente maior do que a dos corpos com origem no Sistema Solar”, eplicam os investigadores.

“Acreditamos que o IM1 e IM2 fossem compostos por elementos refratários, apesar de as suas características apontarem para uma formação essencialmente metálica”, acrescentam.

“Já foram observadas supernovas a produzir balas cósmicas ricas em ferro, e esta pode ser a origem do IM1 e IM2″, concluem os autores do estudo.

  Armando Batista, ZAP //

Deixe um comentário