RJ: Polícia Federalista prende pastor por crimes de

0
5061

Na manhã desta quinta-feira (24), a Policia Federalista (PF) realizou uma operação na sede da igreja pentecostal Geração Jesus Cristo, no Rio de Janeiro, para vedar o pastor Tupirani da Hora Lores. Ele foi recluso preventivamente culpado pelos crimes de racismo e ódio contra judeus.

O líder religioso é divulgado por publicar suas pregações contra negros, mulheres, gays e outras religiões nas redes sociais. A operação foi coordenada pelo Grupo de Repressão a Crimes Cibernéticos da PF, pois os vídeos são publicados pelo próprio pastor na internet.

Leia mais: Dia Vernáculo de Combate à Intolerância Religiosa marca luta contra preconceito e violência

Em um erudito de 2020, ele afirmou que os judeus “deveriam ser envergonhados porquê foram na 2ª Guerra Mundial”. Na mesma gravação, Tupirani também atacou religiões de matriz africanas.

Além de racismo e ameaço, Tupirani pode responder ainda pelos crimes de incitação e apologia ao delito. Caso seja sentenciado, a pena poderá ser de até 26 anos de prisão.

:: Vínculo de Bolsonaro com neonazismo é simples e concreto, diz professora que achou missiva em site  ::

Histórico de crimes

Não é a primeira vez que o pastor é término de operações da PF por discursos de ódio. Em março do ano pretérito, uma denúncia resultou na procura e mortificação de materiais na igreja pentecostal Geração Jesus Cristo, em seguida um vídeo em que Tupirani pedia o “massacre” de judeus.

Antes, em 2012, o pastor e um discípulo foram condenados pela 20ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) por difundir ideias de discriminação religiosa na internet.

A prisão desta quinta-feira (24) é segmento da Operação Rófesh, que em judeu significa liberdade “fazendo referência às recentes discussões sobre os limites da liberdade de frase”, segundo a PF.

Manadeira: BdF Rio de Janeiro

Edição: Clívia Mesquita

Manadeira: Brasil de Traje

Deixe um comentário